Home / Espiritismo / Colunas / Venceste, ó Galileu!

Venceste, ó Galileu!

Por Jane Maiolo

Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz, no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.[1]

O brado de revolta de Juliano , o último imperador romano pagão, ainda ecoa nas estruturas mais intrínsecas da nossa inconsciência:”Vencestes, ó Galileu!”

Fato ou ficção a história de Juliano, o imperador de Roma , que foi morto numa batalha sangrenta contra os persas em  363, alastrou-se pelo mundo da imaginação dos historiadores, filósofos, escritores, crentes e pagãos. O nobre césar não admitia que existisse alguém superior a ele e seu programa de governo era restaurar o paganismo, visto que as seitas religiosas se espalhavam pelo império fazendo respingar a sombra sobre a sua pretensa luz. Seu  governo ficou conhecido como “restauração pagã”.

Apesar dos brados infantis da criatura humana, os ensinamentos do sublime Galileu permanecem na atmosfera quase árida das mentes e corações dos homens.

A história religiosa da humanidade sempre contou  com um elemento imponderável: a vulnerabilidade de seus fiéis seguidores.

A história da religião  é muito antiga (inicia com as civilizações)  e sempre contou com feitos, refeitos, configurações, desconfigurações, harmonizações  e desarmonizações implícitas e explícitas.

O Cristianismo dos três primeiros séculos perdeu-se na poeira dos milênios , deixando pouquíssimas fontes primárias comprováveis e com valor  histórico concreto.

Resgatar o passado é tarefa complexa , exige-se intuição para não tanger nas ilusões.

O contexto é distinto, os homens são outros, o comportamento ético-moral-social é indubitalvelmente diferente.

Não fosse a descoberta dos acervos de  Nag Hammadi, por um simples beduino  em 1945 , documentos escondidos  fortuitamente numa região desértica do Egito, nunca saberíamos que os chamados “escritos de Nag Hammadi”  evidenciam com clareza  o processo que conduziu às primeiras definições dogmáticas que foi tudo menos linear, sujeito a interferências das mais variadas, e assim não teríamos nenhuma pálida notícia do que foi o primeiro movimento religioso do então nascente Cristianismo.[2]

Com a descoberta concluiram que havia vários documentos que traziam em seu conteúdo a forma de conceber e conviver com a divindade e seus postulados, suas crenças, seus medos, suas aflições, e suas afirmações. Tais manuscritos foram, na sua grande maioria, considerados heréticos pelos “pais” da igreja.

Concluiu-se que o mesmo Deus de Abraão , Isaac e Jacó é também o nosso Deus. O deus antropomórfico dos hebreus cedeu espaço para uma “Inteligência suprema, Causa primária de todas as coisas”.[3].

A vinda de Jesus, o excelso Galileu, trazia objetivos claros e específicos de fazer-nos entender Deus como Pai e aprender amá-Lo como tal. Porém, o Homo sapiens sapiens ainda submerso na profunda noite da ignorância descobriu mecanismos de controle, manipulação e domínio.

Descobriu-se que o medo era um bom “pastor” e a política do medo foi uma forma de frear, calar, coibir e demover obstáculos.

A pedagogia do medo foi entronizando no nosso comportamento ético-moral-social. Educação  comportamental que  fomos recebendo e transmitindo como forma de herança nos códigos genéticos dos antepassados  durante  séculos. Mas o pensamento crístico continua presente, alvissareiro.

O temor não estava no programa divino da evolução humana , mas foi-nos ensinado como forma de repressão.

Através de uma educação socio-religiosa coercitiva passamos a temer a Deus, ao fogo do inferno, aos próprios questionamentos, aos astros do Cosmo, as comunhões sexuais, ao prazer de tudo que é belo, bom e formoso da vida. Passamos mesmo a temer nossa própria imaginação. Como afirmaria o destemido Convertido de Damasco, na sua segunda epístola a Timóteo:  “Porque Deus não nos deu o Espírito de temor, mas de fortaleza, de Amor e de Moderação”.[4]

Porém, Deus não quer nosso temor, também não quer nossa filosofia, nossa ciência ou nossa religião. Deus quer apenas nosso coração disposto a amar.

A paz oferecida pelo Cristo, que não é o próprio Criador, mas enviado de Deus, não nos impede de enfrentar as tribulações, aflições, medos, inseguranças, entretanto adverte-nos para  que tenhamos bom ânimo a fim de  lidar com os desafios futuros.

Após dois mil anos o Galileu segue vencedor, mesmo sem nunca ter disputado batalha alguma. Segue seguro, incólume, majestoso deixando um caminho estreito , porém possível de percorrer.

Venceste , Ó Galileu, e os homens um dia reconhecerão sua silenciosa vitória .

Referências  bibliográficas:

[1]            João 16:33

[2]            FIORILLO, Marilia Pacheco- O Deus exilado:Breve história de uma heresia/Rio de Janeiro – Civilizaçãio Brasileira-2008.

[3]            KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, questão 01- Rio de Janeiro: Ed FEB, 2007

[4]      II TIMÓTEO, 1:7.

Sobre Jane Maiolo

Jane Maiolo – É professora de Ensino Fundamental, formada em Letras e pós-graduada em Psicopedagogia. Colaboradora da Sociedade Espírita Allan Kardec de Jales. Pesquisadora do Evangelho de Jesus. Colaboradora da Agenda Brasil Espírita- Blog do Bruno Tavares Recife/PE - Jornal O Rebate /Macaé /RJ – Jornal Folha da Região de Araçatuba/SP -Apresentadora do Programa Sementes do Evangelho da Rede Amigo Espírita. janemaiolo@bol.com.br

Veja

Estigma Moral

Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos …

Que queres conosco, Filho de Deus?

Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros. Rogai, …