Home / Espiritismo / Colunas / Uma Oração Jamais Se Perde

Uma Oração Jamais Se Perde

Sidney Fernandes

Desde os primórdios o homem sempre recorreu à divindade. Pinturas rupestres registraram súplicas de seres primitivos nos momentos de dor e de dificuldade. Com o tempo, criou-se o mito de que a morte teria o milagroso condão de tornar boas todas as pessoas. Diante dessa falsa premissa, os petitórios passaram a ser dirigidos a qualquer morto, independentemente de como fora sua conduta em vida.

***

Beatriz estava aflita, pois sua casa achava-se completamente desorganizada, seu pai preocupado e sua madrasta mostrava claros sinais de perseguição espiritual. Dirigiu um pedido de socorro, em forma de oração, para sua mãe, já falecida.

O que Beatriz ignorava é que o espírito perseguidor de sua desarvorada madrasta era justamente sua mãe, cega de ódio, por julgá-la uma intrusa em seu antigo lar.

Com as atenções voltadas para a desafeta, a mãe de Beatriz estava absolutamente impermeável aos apelos da filha. A comovedora oração, que partira daquela devotada servidora, chegou até as autoridades do espaço.

Como a mãe de Beatriz não estava em condições nem mesmo de ouvir as rogativas da filha, o impulso luminoso teve sua direção desviada para mentores que se dispuseram imediatamente a lhe prestar assistência. Esses seres luminosos chamaram o espírito protetor que conhecia bem o caso de Beatriz.

— Essa menina está passando por terríveis pressões íntimas, que sobrecarregam sua saúde e lhe provocam imensas lutas morais, em virtude da obstinada perseguição que a mãe está empreendendo contra a madrasta. Precisa de urgente socorro de nossa organização.

Embora sua prece não tivesse sido ouvida pela mãe, que se encontrava envolvida por laços escuros do ressentimento e do ciúme, Beatriz não poderia ficar desassistida.

Diante dos oportunos esclarecimentos do espírito protetor, mobilizaram-se imediatamente os círculos superiores para dar sustentação e apoio a Beatriz e à sua família, para que se restabelecesse o clima de paz naquele lar.

***

Como vemos, amigo leitor, a morte não nos torna imediatamente perfeitos. O espírito materno não se encontrava em condições de atender ao chamado da filha querida. A solicitação de Beatriz, no entanto, não se perdeu, pois encontrou guarida em altos institutos da espiritualidade. Tenhamos a absoluta certeza de que o amparo divino, ainda que por vias indiretas, jamais falha.

Referência: Entre a terra e o céu, André Luiz.

 

Sobre Sidney Fernandes

Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

O Cheiro do Medo

Sidney Fernandes Transpiração revela o medo Uma equipe de pesquisadores comandada por Lilianne Mujica-Parodi, da …

O que levamos desta vida? – Sidney Fernandes

O QUE LEVAMOS DESTA VIDA? Sidney Fernandes 1948@uol.com.br Porque vos digo que, se a vossa …