Home / Espiritismo / Colunas / Um Time, um avião, uma fatalidade!

Um Time, um avião, uma fatalidade!

Amanhecemos nesta terça-feira, 29 de novembro de 2016, sob o impacto da notícia da queda do avião que transportava a equipe de futebol Chapecoense, causando a morte de setenta e cinco passageiros.

Naturalmente, desenrola-se uma comoção de grandes proporções, pelo número de vítimas, com reverberação mundial, em função do inesperado, aumentada pela exposição midiática que o Clube Catarinense vivenciava, atualmente, pelo sucesso que desfrutava em suas atividades profissionais.

Fatos mil envolvendo as circunstâncias da tragédia viram notícias, e, dentre elas, a divulgação dos que escaparam da morte por um mínimo detalhe, como o ocorrido com o filho do treinador da equipe, que não embarcou por ter esquecido o passaporte.

Como se explica, em termos espirituais, uma tragédia dessas?

Aprendemos com o Senhor Jesus, em Seu Evangelho, que não cai uma folha de uma árvore sem que Deus o saiba. Tudo acontece com a anuência Dele, e como Ele é a causa primária de todas as coisas e inteligência suprema, detentor da perfeição absoluta, não ocorrem fatos em desacordo com a lei de amor e sem a mais absoluta necessidade evolutiva dos seus filhos.

Temos aprendido também, com a Doutrina Espírita, que:

“a fatalidade existe, unicamente, pela escolha que o Espirito fez, ao encarnar, desta ou daquela prova para sofrer. Escolhendo-a, instituiu para si uma espécie de destino, que é a consequência mesma da posição em que vem a achar-se colocado”.

Reúnem-se, assim, por necessidade comum, os que precisavam deixar o Mundo Físico dessa forma, atendendo às características pessoais de cada um, possibilitando a todos dar sequência ao seu desenvolvimento espiritual.

Assim como nascemos, um dia teremos que voltar ao Mundo Espiritual para darmos prosseguimento ao progresso de nossos espíritos.

A Doutrina Espírita facilita-nos o entendimento dessa realidade, direcionando-nos para o amparo fraterno aos que permanecem na vida física, sofrendo com a ausência do ente querido que se foi, e também para a doação de nossas melhores vibrações aos que partiram, para ajudá-los na plena adaptação à vida espiritual, que é a nossa pátria Maior.

Antônio Carlos Navarro

Nota do Editor:
Imagem em destaque disponível em <http://oglobo.globo.com/esportes/bombeiro-aviao-da-chapecoense-se-chocou-contra-morro-de-200-metros-de-altura-20558840>. Acesso em 29NOV2016.

Sobre Antonio Carlos Navarro

Avatar
Espírita de São José do Rio Preto - SPFrequentador e Dirigente do Centro Espírita Francisco Cândido Xavier em São José do Rio Preto, SP. Estudioso, palestrante e editor de inúmeros textos e conteúdo EspíritaGênero de livros Espírita que prefere: Mediunidade, DoutrinárioIniciou seus primeiros contatos com a Doutrina Espirita: 1986

Veja

A Necessidade Maior

Ao atingir o Reino Hominal, o Espírito tem latente em si toda a força dos …

Aposentar, ou não aposentar, eis a questão!

Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Jesus – João 5:17 “O trabalho …