Home / Espiritismo / Doutrina Espirita / Um Espírito pode nos Empurrar ou até nos Bater?

Um Espírito pode nos Empurrar ou até nos Bater?

Era noite de Réveillon e toda a família havia se reunido no quintal da casa para ver os fogos de artifício. Entre comes e muitos bebes alguns já tinham ultrapassado o limite da razão, mostrando-se mais alegres e tontos em relação a outros.

Naquela época, Pedrinho nem contava oito anos de vida. De pé, à porta da casa que dava acesso ao quintal, contemplava a alegria dos tios e primos com medo dos fogos barulhentos que começavam a tomar o céu. Bem atrás de onde estava, havia um pequeno banheiro e um corredor de acesso à cozinha, onde sua mãe lavava algumas louças acumuladas do jantar. Naquele pequeno espaço sentia-se seguro.

O pai de Pedrinho era um dos que tinham bebido além da conta. Nunca tinha soltado um foguete, mas resolveu insistir com o cunhado que lhe cedesse um dos fogos que ele estava soltando. Lúcio hesitou, porém não teve jeito. Trocando as pernas, Reinaldo pegou o rojão, acendeu o pavio, estendeu a mão para cima e fechou os olhos.

O facho de fogo explodiu, ascendeu um dois metros e, ao invés de subir, desceu em linha reta em direção à porta da cozinha onde estava Pedrinho. O menino congelou de pavor vendo uma bola de fogo vindo direto ao encontro de sua barriga.

Foram segundos de desespero de todos.

Prestes a ocorrer o trágico impacto, Pedrinho sentiu duas mãos a lhe empurrarem de súbito para o lado. A chama explodiu dentro do banheiro com tamanha violência que tudo dentro dele foi queimado. Equilibrando-se do empurrão, o garoto parou em frente à mãe gélido, suando frio e ofegante.

Ninguém mais quis ver fogos de artifício naquela noite.

*     *     *

Sim, um espírito pode nos empurrar e até mesmo nos bater. Na Revista Espírita de janeiro de 1860, Kardec publica a evocação de um espírito na qual lhe é perguntado se é possível que o mesmo desfira um soco sensível ao encarnado e o mesmo responde de forma afirmativa. Na Revista Espírita do mês seguinte, descreve-se um ocorrido no qual um proprietário de uma casa considerada como assombrada à época recebe uma forte bofetada de uma mão invisível ao adentrar em um dos seus aposentos, mesmo sozinho no local. Além destes, diversos outros relatos publicados em outras edições da Revista Espírita descrevem interações físicas sensíveis aos encarnados causadas por espíritos interessados e capazes de realizá-las (1).

No capítulo “Da teoria das manifestações físicas”, em O Livro dos Médiuns, Kardec nos esclarece que a interação entre o espírito e a matéria ocorre por meio de forças fluídicas de natureza desconhecida ainda por nós. Quando o espírito está encarnado, a sua vontade de atuar sobre o meio físico é transmitida do espírito ao corpo por meio do períspirito. Quando desencarnado, a atuação sobre a matéria ocorre por meio da vontade do espírito que leva a uma interação fluídica com o objeto a ser manipulado  (2).

Destaca-se, contudo, que quaisquer interações somente acontecem se houver a intenção do espirito e ainda que lhe seja permitido fazê-lo. Do contrário, tais ações não ocorrem (1-2).

Na história de Pedrinho fica clara a presença de espíritos protetores atuando em benefício de sua integridade física. Sejam eles nossos anjos da guarda ou espíritos com os quais nos afinamos pela sintonia de nossas atitudes, sua ação só ocorre com a permissão da Divina Providência.

Que busquemos sempre trabalhar no amor e na caridade para que sejamos dignos de ter à nossa volta espíritos sublimes que sintonizem com as nossas ações. Nossas próprias emanações mentais e estas presenças de luz manterão distantes espíritos levianos que desejem nos impressionar fisicamente de maneira afrontosa.

Márcio Martins da Silva Costa.

Referências:

(1) KARDEC, A. Revista Espírita. Jornal de Estudos Psicológicos, 1860; e

(2) KARDEC, A. O Livro dos Médiuns. Cap. IV. 81a ed. Brasília (DF): Federação Espírita Brasileira, 2013.

Fonte: Agenda Espírita Brasil

Sobre Fernando Rossit

Avatar
Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

Como As Dores Dos Que Ficaram Afetam Os Espíritos?

Como ficamos quando os nossos entes amados se vão e como os afetamos mesmo que …

Talismãs e Amuletos, e o que kardec diz sobre a força desses objetos?

Kardec, em sua época era reconhecido pelos seus contemporâneos como autoridade no tocante aos temas …