Home / Espiritismo / Colunas / Solitude, solidão, solicitude – Orson Peter Carrara

Solitude, solidão, solicitude – Orson Peter Carrara

As três palavras são muito parecidas, sonoridade semelhante, mas suas definições são bem distintas. E podem abrir universos de exemplos e abordagens. Aqui a abordagem é motivada pela curiosidade cultural das três palavras.

Vejam que interessante:

Solitude é o estado de privacidade de uma pessoa, não significando, propriamente, estado de solidão. Pode representar o isolamento e a reclusão, voluntários ou impostos, porém não diretamente associados a sofrimento.

Solidão: estado de quem se acha ou se sente desacompanhado ou só; isolamento. Ou ainda sentir-se triste e infeliz devido ao isolamento social. E também não necessariamente em sofrimento.

Solicitude: boa vontade, desejo de atender da melhor maneira possível a alguma solicitação; empenho, interesse, atenção. Ou ainda afã e diligência em tratar, alcançar ou conseguir algum fim.

Outras palavras e exemplos podem ser trazidos com a mesma ocorrência de semelhança em letras e sonoridade, mas fiquemos apenas com essas com o objetivo de buscar a importância de cada uma delas.

Afinal podemos estar em estado de solitude, com ou sem solidão, e exercitar a solicitude. Ou ser solícito, com ou sem solitude ou solidão… Muito interessante os exemplos que podem se encaixar nessa linha de raciocínio. E igualmente podemos estar nos três estados, individualmente em cada um ou nos três ao mesmo tempo. Quantas situações! Ou em apenas dois, como por exemplo, em solitude e solidão, sem solicitude. Confundiu? É que as variadas circunstâncias ou situações humanas podem nos situar em quadros como os acima citados.

As três são úteis e o importante é que vivamos essas experiências com solicitude, ainda que nos utilizemos ou não da solidão ou da solitude. Em privacidade ou solitário, a disposição de boa vontade é sempre a marca da moralidade.

Nos embates da atualidade o que se vê mais é solitude desrespeitada, a solidão provocada e muitas vezes sofrida ou vivida com egoísmo, e pouca solitude, exceto se nos próprios interesses. Por isso os sofridos quadros morais que estamos vivendo. Melhor que transformemos a nossa possível solidão ou nossa solitude em posturas práticas de solicitude. Aí a vida fluirá com mais abundância.

Por isso afirma Auta de Souza na bela página Sublime Encontro:

Se procuras o Cristo Soberano

Por excelso refúgio às próprias dores,

Busca hoje e amanhã, por onde fores,

O torturado coração humano.

 

Desce ao vale dos grandes amargores,

Onde revelam sofrimento insano

A aflição, a miséria e o desengano,

Entre flagelos purificadores.

 

Desce à feição do Sol na noite fria,

Guardando a caridade por teu guia,

Ajudando e servindo cada hora…

 

E, ante a luz da Divina Primavera,

Encontrarás o Cristo que te espera,

Crucificado em cada ser que chora.

Sobre Orson Peter

Avatar
ORSON PETER CARRARA é natural de Mineiros do Tietê e reside em Matão, ambos municípios paulistas. Aposentado e consultor editorial do IDE-Instituto de Difusão Espírita, de Araras (SP), é de família espírita. Casado com Neuza Marana há 33 anos, é pai de 3 filhos e avô de Amanda, de 3 anos e de Leonardo, de 1 ano. Palestrante conhecido em todo Brasil, já esteve em 3 países da África para palestras doutrinárias, sendo articulista de vários jornais, revistas e sites. É autor de 17 livros (mais 1 no prelo este ano), preside o Instituto Cairbar Schutel que pode ser acessado pelo portal www.institutocairbarschutel.org e seu trabalho está disponível no blog orsonpetercarrara.blogspot.com

Veja

Afinal, para quê tudo isso? Reflita com Léon Denis

“A alma deve conquistar, um por um, todos os elementos, todos os atributos de sua …

Benefícios Da Pandemia

Orson Peter Carrara Ao lado dos desastres causados na saúde e na economia (aí incluídos …