Home / Espiritismo / Colunas / Sem Discussão!

Sem Discussão!

Sidney Fernandes

Vou lhe apresentar, caro leitor, três situações bem semelhantes. Naturalmente, você tenderá a se posicionar como censor e escolherá uma delas como aquela que seria a sua, na vida real. As três ocorrências são verídicas e isto é uma espécie de teste. O que faria você?

1 – Um veículo avança um sinal de “pare”, coloca-se na frente do seu carro e quase provoca um acidente. Instintivamente você aciona a buzina. O transgressor ofende-se, faz gestos obscenos em direção ao seu carro, convidando-o a um entrevero pessoal. Você se surpreende com a atitude agressiva do outro motorista, contorna-o cuidadosamente e, sem mesmo olhar para ele, segue o seu caminho.

2 – Uma motocicleta corta a sua frente. Para evitar abalroá-la, você aciona o freio do seu carro. Assustado, o motociclista diminui a velocidade, mas em seguida profere palavrões. Indignado, você acelera, vai atrás do mal-educado, emparelha com ele e profere várias palavras que homenageiam sua genitora.

3 – Você dá sinal que vai entrar à direita e freia seu automóvel. O motorista do carro que vem atrás se assusta e o repreende, com alta buzinada. Mesmo coberto de razão, você levanta o braço num gesto de pedido de desculpas.

***

O que faríamos, em idênticas situações?

A nossa primeira tendência será a do julgamento e a imposição de determinado comportamento, no mínimo compatível com a educação, com a moral ou com princípios de cidadania. Consideremos, entretanto, que dentro do imperativo da perfeição, Deus respeita o nosso livre-arbítrio e não nos impõe qualquer obrigação ou dever. Poderíamos nos arvorar em julgadores e dar lições de procedimento?

Dale Carnegie, conferencista e escritor, escreveu em um de seus livros que você nunca pode vencer uma discussão. É melhor fugir dela, pois, se perdê-la, perdeu mesmo, e, se ganhar, também perdeu, pois poderá humilhar seu opositor e, saiba, um homem convencido contra a vontade sempre conservará sua opinião anterior.

É preciso entender que estamos em diferentes níveis evolutivos e que devemos compreender os comportamentos dos outros, da mesma maneira como Deus e os espíritos superiores respeitam o nosso, sem exigir perfeição nos outros e nem mesmo em nós.

Na medida do possível e da liberdade que o próximo nos conceda, poderemos e deveremos ensinar o certo, desde que sejamos solicitados. A luta maior, contudo, deverá ser travada contra nós mesmos, comportando-nos e respeitando o meio em que transitamos, tornando-nos a cada dia um pouco melhores.

Sobre Sidney Fernandes

Avatar
Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

Evidências da Continuidade da Vida

Sidney Fernandes Os propósitos da vida dependem do seu significado em sua amplitude maior. Os …

Efeito Colateral do Amor

Sidney Fernandes Diante do sofrimento, há pessoas que fazem o bem buscando cura. Como alguém …