Home / Espiritismo / Colunas / Sem Discussão!

Sem Discussão!

Sidney Fernandes

Vou lhe apresentar, caro leitor, três situações bem semelhantes. Naturalmente, você tenderá a se posicionar como censor e escolherá uma delas como aquela que seria a sua, na vida real. As três ocorrências são verídicas e isto é uma espécie de teste. O que faria você?

1 – Um veículo avança um sinal de “pare”, coloca-se na frente do seu carro e quase provoca um acidente. Instintivamente você aciona a buzina. O transgressor ofende-se, faz gestos obscenos em direção ao seu carro, convidando-o a um entrevero pessoal. Você se surpreende com a atitude agressiva do outro motorista, contorna-o cuidadosamente e, sem mesmo olhar para ele, segue o seu caminho.

2 – Uma motocicleta corta a sua frente. Para evitar abalroá-la, você aciona o freio do seu carro. Assustado, o motociclista diminui a velocidade, mas em seguida profere palavrões. Indignado, você acelera, vai atrás do mal-educado, emparelha com ele e profere várias palavras que homenageiam sua genitora.

3 – Você dá sinal que vai entrar à direita e freia seu automóvel. O motorista do carro que vem atrás se assusta e o repreende, com alta buzinada. Mesmo coberto de razão, você levanta o braço num gesto de pedido de desculpas.

***

O que faríamos, em idênticas situações?

A nossa primeira tendência será a do julgamento e a imposição de determinado comportamento, no mínimo compatível com a educação, com a moral ou com princípios de cidadania. Consideremos, entretanto, que dentro do imperativo da perfeição, Deus respeita o nosso livre-arbítrio e não nos impõe qualquer obrigação ou dever. Poderíamos nos arvorar em julgadores e dar lições de procedimento?

Dale Carnegie, conferencista e escritor, escreveu em um de seus livros que você nunca pode vencer uma discussão. É melhor fugir dela, pois, se perdê-la, perdeu mesmo, e, se ganhar, também perdeu, pois poderá humilhar seu opositor e, saiba, um homem convencido contra a vontade sempre conservará sua opinião anterior.

É preciso entender que estamos em diferentes níveis evolutivos e que devemos compreender os comportamentos dos outros, da mesma maneira como Deus e os espíritos superiores respeitam o nosso, sem exigir perfeição nos outros e nem mesmo em nós.

Na medida do possível e da liberdade que o próximo nos conceda, poderemos e deveremos ensinar o certo, desde que sejamos solicitados. A luta maior, contudo, deverá ser travada contra nós mesmos, comportando-nos e respeitando o meio em que transitamos, tornando-nos a cada dia um pouco melhores.

Sobre Sidney Fernandes

Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

O Poder Embriaga

Sidney Fernandes O poder embriaga, mas a ressaca sempre vem. Essa frase foi proferida por …

O Cheiro do Medo

Sidney Fernandes Transpiração revela o medo Uma equipe de pesquisadores comandada por Lilianne Mujica-Parodi, da …