Home / Espiritismo / Doutrina Espirita / Saúde e Enfermidade

Saúde e Enfermidade

“Teu Espírito é tudo; teu corpo é simples veste que apodrece: eis tudo”

O Livro dos Espíritos” – questão 196a

A Doutrina Espírita nos oferece pa­noramas nunca dantes imaginados para velhas questões filosóficas até então irresolúveis… Onde se poderia imaginar, por exemplo, que a “dor” é processo te­rapêutico e que a “educação” é poção medicamentosa?

Passamos quase dois milênios rece­bendo as instruções da Boa Nova e nunca nos ensinaram ou sequer atinamos que o Evangelho de Jesus não é apenas roteiro de luz, mas receita de paz, de felicidade, de saúde e de alegria! … Por isso a Dou­trina dos Espíritos apresenta-nos Jesus como o Sublime Médico das Almas.

Aprofundemos o “bisturi” do racio­cínio nas questões acima levantadas, com base nas informações passadas por Jesus, quando Ele disse: “Buscai primeiro o Reino de Deus e a Sua Justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” – Mateus, 6:33. 2 – Mateus, 6:25

Ora, com este mandamento o Mestre estava apontando o alvo para onde de­vemos concentrar o foco de interesses. Mas, refratários e calcetas, fizemos ouvidos moucos e pagamos o alto preço exigido pela negligência, tradu­zido em dores acerbas que sempre es­tiveram presentes em nossas experi­ências palingenésicas.

No excelente livro “Na Seara do Bem” *, encontramos:

“(…) A medicina espiritual considera a saúde como a exteriorização do equi­líbrio interior que alguém tenha alcan­çado, mediante a perfeita comunhão com as Leis Divinas; já a enfermidade repre­senta o extravasamento, o expurgo dos desequilíbrios mentais, por parte de quem ainda insiste em caminhar, de forma a con­trariar os sábios desígnios divinos. Este conceito a própria ciência terrestre já começa a compreender, afirmando que existem “doentes” e não “doenças”.

Causas

Entendemos que as causas das en­fermidades têm suas raízes implantadas nas profundas raízes do Espírito, isto é, são de ordem espiritual. Por isso com­preendemos que o homem deve urgen­temente buscar os recursos de ordem espiritual visando o seu próprio bene­fício; e por recursos espirituais não nos referimos tão somente à fluidoterapia, que representa importante mecanismo de auxílio. Reportamo-nos à educação.

Sim, Educação. Se a causa das enfermidades estão nos deslizes que co­metemos ante as soberanas Leis da Vida, urge busquemos na educação, a ação dis­ciplinadora, sempre benéfica.

O homem precisa ser médico de si mesmo, analisando as próprias tendências e disposições mentais, renovando-se para melhor, trabalhando o psiquismo, corrigindo antigas viciações, esforçando-­se por ser alegre em vez de triste, otimista e não pessimista, ponderado, tranqüilo e confiante, em vez de desesperado.

Precisamos também considerar a dor como processo terapêutico.

A Sabedoria Divina permite-nos os equívocos, entretanto, retira dos nossos próprios erros, os necessários meios para a nossa recuperação. Nesse sentido, a dor se transforma em verdadeiro re­médio, pois colabora para o arrependi­mento sincero, propiciador das novas dis­posições mentais.

E Jesus?

Recordemo-nos que Jesus não curou todos os enfermos, embora pudesse fazê-­lo e se assim não agiu foi porque, naturalmente, nem todos estavam aptos a libertarem da enfermidade. Para a grande maioria a dor representava o processo terapêutico libertador, difícil e doloroso porém necessário. Entretanto, se o Mestre não curou a todos, ofertou, generoso, Humanidade inteira a sublime mensagem do Amor, caminho seguro para quantos desejem sinceramente a libertação dos erros, das enfermidades e do sofrimento com vistas a alcançarem a saúde espiritual, o equilíbrio, a paz sem mesclas (plenitude …

(…) A tarefa de Jesus não era a , curar os corpos, mas sim a de salvar almas. Ele afirmou referindo-Se à importância dos valores espirituais: “Não é a Vida mais que o mantimento, e o corpo mais que o vestido? …”

E, de conformidade com os seus ensinos, perguntamos por nossa vez: não é o Espírito mais que o corpo? Qual utilidade de curar o corpo e perder a alma? Não será melhor salvar a alma, mesmo que para tal mister o corpo venha a sofrer?

De igual maneira, a nossa tarefa nas Casas Espíritas não é realizar prodígios no campo da cura, nem tampouco a de atender às exigências dos que lá aportam desejando a solução rápida e eficaz para os seus males. Tão-somente devem, nos propor a colaborar com os companheiros encarnados no projeto do crescimento para Deus, auxiliando-os a superar as dificuldades criadas por eles, mesmos, mediante o uso inadequado do livre arbítrio. A medicina terrestre, assim como os recursos socorristas em nos esfera, representam a Misericórdia Divina; entretanto aprendemos com os nossos Maiores que não basta remediar e consolar, é imprescindível esclarecer e iluminar consciências.

Equilíbrio interior é que garante a saúde

(*) – Autoria do Espírito Antônio Carlos Tonini, psicografia de Luiz Antônio Ferraz, edição da Casa Editora “Pierre-Paul Didier” capitulo 2 onde o Dr. Cornelius (Espirito), ministra uma portentosa aula sobre tema em questão.

Autor: Rogério Coelho

Nota:  O autor é escritor e expositor espírita; atua e Muriaé -MG.

Revista Internacional de Espiritismo

Sobre Fernando Rossit

Avatar
Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

Quando a Mente Fabrica a Doença

Quase todos nós aceitamos sem problemas que o coração bata com mais força quando nos …

O Perdão Liberta

   “…O mundo está cheio dessas pessoas que tem o sorriso nos lábios e o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.