Home / Espiritismo / Colunas / Quem lê, Atenda!

Quem lê, Atenda!

Sidney Fernandes – 1948@uol.com.br

Durante o ano de 1916, três crianças de Portugal — Lúcia, Francisco e Jacinta — testemunharam aparições de um espírito e, no ano seguinte, a presença de uma entidade de intensa luz, mais tarde identificada como sendo Nossa Senhora, mãe de Jesus.

Fora de dúvida que os videntes de Fátima foram escolhidos para chamar a atenção dos homens, concitando-os à espiritualização com revelações da alta espiritualidade.

Aurélio Agostinho nasceu na África no dia 13 de novem­bro de 354. Estava, no ano de 386 em um jardim de Milão, quando ouviu a voz de uma criança invisível, que cantava repetidamente: Toma e lê, toma e lê. Ele tomou a epístola de Paulo ao Romanos e leu o texto que o conduziu definitivamente à sua transformação moral.

Tornou-se um dos maiores intelectuais e oradores do Cristianismo e, mais tarde, o venerado Santo Agostinho, respeitado por todas as religiões.

***

Alguns minutos de leitura do Evangelho podem nos trazer essência para toda a existência. Esse conteúdo poderá ser resumido n’O Sermão da Montanha, cujo teor poderá ser ainda mais resumido, a alguns segundos, se utilizarmos a magna expressão de Jesus, que sintetiza toda a sua gloriosa mensagem:

Tudo o que quiserdes que os homens vos façam, fazei-o assim também a eles. Mateus, 7:12

Alerta-nos Emmanuel que, embora as expressões das altas esferas espirituais sejam altamente significativas e nos remetam a encontrar a felicidade por caminhos alternativos à dor, parece que nós, homens, insistimos em ler, sem entender os desígnios de Deus e sem cumprir a justiça divina.

Esgotados os meios suasórios da justiça divina, resta a dor como único recurso com poder supremo de depuração do homem, que a pede e depois a renega, quando retorna à Terra.

Daí a necessidade de se “ler e entender” e, mais do que isso, vivenciar e praticar, os ditames do Evangelho.

De que adianta sermos abençoados com extraordinárias visões da espiritualidade? Ou recebermos a visita de entes queridos que já morreram? Ou sermos contemplados com valiosos testemunhos dos desencarnados? Ou ainda convivermos com elevadas criaturas do nível de um Santo Agostinho?

A cada dia estamos mais pacientes, tolerantes e espiritualizados?

***

Os alertas divinos estão aí à disposição de todos homens, para que tenham mais empatia e solidariedade. A divindade tem paciência e compreensão e oferece inúmeras oportunidades para a depuração do espírito.

No entanto, quando se esgotam os recursos da compaixão divina, resta a dor como verdadeira condutora à felicidade, único meio com poder supremo para a renovação do homem.

A felicidade se esconde como todas as coisas gentis e delicadas. É em vão que se a procure nos gozos terrestres que o sopro da morte carrega (Léon Denis).

Sobre Sidney Fernandes

Avatar
Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

Ouvir a Voz de Deus

Sidney Fernandes – 1948@uol.com.br Se eu quiser falar com Deus tenho que ficar a sós, …

O Ano do Boi: Dedicação e Conquistas

Sidney Fernandes Segundo o calendário chinês, em 2021 o boi será o animal e o …