Home / Espiritismo / Ciência / Pesquisadores de Universidades avaliam Relação entre Mediunidade e Saúde Mental

Pesquisadores de Universidades avaliam Relação entre Mediunidade e Saúde Mental

Desde tempos remotos, as experiências espirituais têm sido objeto de discussão nas mais diversas esferas da sociedade, de céticos a religiosos. São inúmeras as interpretações de sua origem e, ainda que não haja uma resposta definitiva, a comunidade científica tem se dedicado cada vez mais ao tema nos últimos anos.

Atualmente, o Brasil é o 5º país que mais produz pesquisa em espiritualidade e saúde, segundo busca na base de dados Scopus realizada pelo pesquisador e psiquiatra Alexander Moreira de Almeida – um dos mais reconhecidos estudiosos do assunto, e que hoje compõe o Nupes (Núcleo de Pesquisa em Espiritualidade e Saúde), vinculado à Universidade Federal de Juiz de Fora.

Na Universidade de São Paulo, as pesquisas se iniciaram no final dos anos 1990. Nesse começo, é relevante citar a fundação do Neper (Núcleo de Problemas Espirituais e Religiosos) em 1999, da qual participou Alexander.

Ele conta que o Neper foi o primeiro grupo acadêmico de estudo sistemático de medicina e espiritualidade no país, e continua em atividade até hoje, mas com o nome de ProSER (Programa de Saúde, Espiritualidade e Religiosidade).

Por ser um assunto de grande complexidade, que perpassa questões culturais e religiosas, abordá-lo a partir de observações científicas pode ser desafiador. Essa foi uma das principais preocupações de Alexander, ele conta, ao desenvolver sua tese de doutorado em 2004, intitulada Fenomenologia das experiências mediúnicas, perfil e psicopatologia de médiuns espíritas, pelo Instituto de Psiquiatria da FMUSP.

De acordo com o pesquisador, toma-se como ponto de partida o fato de que essas manifestações sempre existiram.

A sua tese, portanto, teve como objetivo central estudar questões de fenomenologia que envolvem os médiuns, avaliando também seu perfil sociodemográfico, sua saúde mental e o histórico de suas experiências.

Para isso, Alexander contou com entrevistas e aplicações de escala de 115 médiuns espíritas em atividade, selecionando aleatoriamente em centros espíritas da cidade de São Paulo. “Posso perguntar o que ela sente, como ela sente, como ela vê o que chama de espírito.

E posso relacionar essas experiências-relatos com outros dados. Por exemplo, as pessoas que referem ouvir mais vozes de espíritos têm mais ou menos depressão? Mais ou menos dificuldade de inserção social?”, diz Alexander. “Então, nesse sentido, a gente consegue estudar a religiosidade como fato objetivo, como qualquer outro dado.”

Assim, o estudo considerou como médiuns pessoas que tinham visões, ouviam coisas ou tinham um transe completo, chamado de incorporação.

Os resultados apontaram participantes mentalmente saudáveis, com uma razoável adequação social e altos níveis socioeducacionais.

Além disso, indícios da psicofonia – para os espíritas, a comunicação de espíritos através da voz do médium – foram definidos como a sensação de presença e diferentes sintomas físicos, além de sentimentos e sensações não reconhecidas como do indivíduo. O mesmo vale para a intuição, que, por sua vez, está relacionada ao surgimento de pensamentos que a pessoa não identifica como sua. A audição e a vidência, ainda, foram caracterizadas pela percepção de imagens ou vozes interna ou externamente.

De acordo com Alexander, foi ainda apresentado que quanto maior era a frequência dessas experiências, melhor era a saúde mental desses médiuns; e essa saúde mental era, ainda, melhor do que a da população em geral.

A constatação de que essas vivências alucinatórias ou de influência não necessariamente implicam em um diagnóstico de esquizofrenia, por exemplo, traz à tona a necessidade de distinção entre tais condições por parte da comunidade médica.

Segundo o pesquisador, há alguns critérios que ajudam a fazer essa diferenciação, ainda que não sejam absolutos. Um deles é o sofrimento que a experiência causa no indivíduo, gerando empecilhos em seu convívio social e impossibilitando o desenvolvimento de atividades diárias, como o trabalho ou o estudo. Além disso, há outros sintomas específicos que estão presentes em um quadro de esquizofrenia, como a desorganização cognitiva, que prejudica a capacidade de raciocínio. São sintomas negativos, que não acontecem na experiência espiritual, segundo Alexander.

“A pessoa saudável, de modo geral, tem uma certa noção de que aquilo ali pode não ser bem compreendido pelos outros. Ela tem um insight sobre o problema”, acrescenta. Outro ponto é o controle sobre a experiência – com o tempo, o indivíduo que não possui uma condição patológica consegue lidar com essas manifestações, extraindo até mesmo benefícios delas. “Ela gera até um aprimoramento de sua personalidade e do seu bem-estar, diferente da doença mental”, diz.

Desde 2004, entretanto, avanços aconteceram na área. Evidências disso são a criação de uma comissão de estudos e pesquisa em espiritualidade e saúde mental pela Associação Brasileira de Psiquiatria e o I Encontro Global de Espiritualidade e Saúde Mental no Congresso Brasileiro de Psiquiatria, ocorrido em Florianópolis, no ano de 2005. Além disso, a Associação Mundial de Psiquiatria agora tem uma seção dedicada à espiritualidade e psiquiatria, da qual Alexander é o coordenador, e que publicou, em 2016, um position statement – ou seja, uma normativa – acerca da importância de psiquiatras conhecerem a espiritualidade de seus pacientes.

Fonte: Fonte: http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/06/22/estudo-da-fmusp-avalia-perfil-de-mediuns-e-relacao-entre-espiritualidade-e-saude-mental

Originally posted 2017-10-27 06:00:45.

Sobre Fernando Rossit

Avatar
Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

Por que os Sintomas das Doenças pioram à Noite?

Os pesquisadores ainda não chegaram à conclusão a respeito das causas, mas avaliam que os …

Mensagem de Steve Jobs antes de Morrer

Steven Paul Jobs foi um inventor, empresário e magnata americano no setor da informática. Notabilizou-se …