Home / Espiritismo / Colunas / Ouvir a Voz de Deus

Ouvir a Voz de Deus

Sidney Fernandes – 1948@uol.com.br

Se eu quiser falar com Deus tenho que ficar a sós, apagar a luz, calar a voz, encontrar a paz, ter mãos vazias, aceitar a dor e apesar do mal tamanho, alegrar meu coração.

Inspirados versos da composição de Gilberto Gil nos remetem à reflexão de que a conexão com o Alto prescinde de intermediários e instituições religiosas.

Ao adotarmos a atitude genuflexa perante a divindade, havemos de pressupor o cultivo da humildade, do comedimento, do silêncio interior, da resignação e da vitória sobre mágoas e ressentimentos.

Por enquanto, nenhuma novidade, porquanto o próprio Cristo já advertia que, antes de tentar comunicar-se com o Criador, o homem deveria primeiro reconciliar-se com o seu irmão. Mateus, 5:24

Para Léon Denis, respeitado filósofo francês, não havia qualquer óbice em associar-se às preces de irmãos de diferentes religiões, pois conseguia orar tanto em majestosas catedrais góticas, quanto em templos evangélicos, sinagogas ou mesmo em mesquitas. No entanto, para ele, a oração adquiria maior alcance e vigor à borda do mar, nos altos cumes, nas planícies, nas florestas ou mesmo durante a noite, sob as constelações.

Segundo Jesus, Deus é Espírito e em espírito e verdade é que o devem adorar os que o adoram. João, 4

Os homens julgam encontrar o Criador nos templos religiosos e tendem a materializar o culto por intermédio de práticas exteriores. Deus é procurado pelo judeu no templo, pelo católico na missa, pelo protestante no culto, pelo hinduísta entoando mantras, pelo muçulmano repetindo rezas e pelo espírita no centro espírita.

Tudo isso é bom e edificante, mas deve ser apenas parte de nosso empenho de comunhão com a divindade. Se nos limitarmos a essas práticas, confundindo-as com vivência religiosa, estaremos esquecendo o fundamental – o combate às nossas imperfeições, no esforço de renovação íntima que marca a verdadeira religiosidade — ensina Richard Simonetti.

Para ouvir a voz do Alto não precisaremos de um local determinado. Cada um de nós deverá criar, em seu interior, as condições adequadas para a aproximação dos mensageiros divinos. Orar somente com os lábios não despertará as iluminadas forças que dormitam em nosso peito.

A partir do momento em que nos esforçarmos para ser autênticos filhos de Deus, envidando todos os esforços pela transformação íntima, pela minimização de falhas morais e pelo respeito para com o semelhante, estaremos nos iniciando no sublime processo de aproximação com as forças do bem.

Oremos sempre! Não apenas para que Deus ouça nossas súplicas, mas, principalmente, para que aprendamos a ouvir a sua voz.

Sobre Sidney Fernandes

Avatar
Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

Evidências da Continuidade da Vida

Sidney Fernandes Os propósitos da vida dependem do seu significado em sua amplitude maior. Os …

Efeito Colateral do Amor

Sidney Fernandes Diante do sofrimento, há pessoas que fazem o bem buscando cura. Como alguém …