sexta-feira , novembro 17 2017
Home / Espiritismo / Doutrina Espirita / Onde estará meu Cãozinho que Morreu?

Onde estará meu Cãozinho que Morreu?

Somente quem passa pela perda de um cãozinho ou outro animal de estimação muito querido sabe precisar estes momentos de dor. Para alguns a sensação é tão dolorosa que os sentimentos emanados parecem se assemelhar à perda de um ente querido. E assim, seguem dias, meses e até anos guardados na saudosa lembrança daqueles que reservam um espaço no coração para cuidar destas maravilhosas criaturas de Deus.

Mas para onde vão nossos amigos após o desencarne? Poderemos vê-lo ou estar com ele antes ou após o nosso desencarne?

Para entender um pouco destas questões, voltemos em maio de 1865, quando a Revista Espírita nº 5 publicou uma carta escrita oriunda da cidade de Dieppe, norte da França, contando um fato relativamente comum aos dias atuais: a perda de cãozinho muito querido pela família.

Em linhas rápidas, um dos filhos desencarnados do escritor da carta tinha ganhado de seus amigos uma linda cachorrinha da raça Galga. Mika, como era chamada, foi adestrada com extremo cuidado. Seus adoráveis gestos, sua interação com os donos, o seu olhar tornaram a cachorrinha na preciosidade da casa.

Com o desencarne do jovem dono, Mika passou a dormir aos pés da cama do pai da família. Nos dias de frio europeu ela sussurrava lamentos que eram logos interpretados pelo dono como um pedido para subir até ele. Conhecendo-a muito bem, o patriarca a chamava e num salto ela dividia com ele os lençóis onde ambos aqueciam o corpo e o coração.

Eram dias inesquecíveis.

No entanto, mesmo sob todos os cuidados, Mika não resistiu às mazelas da carne que chegaram até ela. Para a família, a perda fora registrada nos corações junto à perda do filho tamanho o amor e carinho que tinham pela cadelinha.

Decorrido algum tempo, no meio de uma das noites frias, o referido senhor ainda estava acordado em meio aos lençóis quando ouviu aquele murmúrio que lhe era tão familiar. Acreditando ser real, estendeu o braço como se esperasse sentir nas mãos novamente a sua cachorrinha se aproximando para subir no leito. Na mesma noite, a esposa e a filha mais nova adoentada também ouviram o mesmo sussurro. Sem entender bem o que estava ocorrendo, ele escreve para a Revista Espírita.

No dia 21 de abril de 1865, por ocasião de uma reunião na Sociedade de Paris, a carta é lida e recebe uma mensagem em resposta pelo médium Sr. E. Vézy. Nesta comunicação o Espírito ressalta, logo de início, que não basta crer nos processos contínuos de evolução pelos quais passam todos os Espíritos. Mas devemos crer que os primeiros passos de nossa centelha Divina começam no mineral, passam pelo vegetal e o animal até chegar à condição da “humanimalidade” (humanidade animal, na falta de melhor interpretação do termo). E que entre estas fases existem “períodos intermediários” ou “latentes” necessários para que ocorram as sucessivas transformações do princípio vital.

Desta forma, os sussurros ouvidos no caso realmente eram da Mika, trazendo até eles uma lembrança antes de adentrar em um estado intermediário. Isto não quer dizer que o “espírito do animal” encontrava-se na erraticidade. De acordo com a pergunta de número 600 do Livro dos Espíritos, “Espírito errante é um ser que pensa e obra por sua livre vontade. De idêntica faculdade não dispõe o dos animais”. Eles não têm consciência de si mesmos. Logo depois de seu desencarne, eles são classificados “quase que imediatamente” por Espíritos incumbidos desta tarefa.

O que Mika possuía, e assim também o é para os demais animais, era um “crisálida espiritual”, levando consigo os “germes de alma” cuja passagem pelo plano espiritual é muito rápida e sem descrições para nossa linguagem rudimentar. Esta comparação feita pelo Espírito comunicante, posteriormente também empregada pelo Espírito André Luiz no Livro Evolução em Dois Mundos, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, remete-nos à fase de transição da lagarta rastejante para a borboleta livre, passando pela crisálida onde ocorrem as transformações esperadas.

O leitor mais atento às obras do Espírito André Luiz irá lembrar-se do capítulo 7(Explicações de Lísias) do Livro “Nosso Lar”, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, onde o escritor Espiritual relata ver das janelas de onde estava “animais domésticos” por entre “árvores frondosas”. No entanto, na obra Evolução em dois Mundos, em seu capítulo 13 (Alma e fluídos), André Luiz descreve no item “Vida na espiritualidade” que “plantas e animais domesticados…podem ser aí aclimatados e aprimorados, por determinados períodos de existência, ao fim dos quais regressam aos seus núcleos de origem no solo terrestre, para que avancem na romagem evolutiva, compensados com valiosas aquisições de acrisolamento”.

Isto nos responde a questão de para onde vão os nossos queridos amigos de estimação. Após o seu desencarne, Espíritos logo se incumbem de classificá-los e trazê-los de volta à carne. Em períodos intermediários de evolução, entram em um estado comparativo a uma crisálida para que avancem os germens de seus princípios vitais, retornando à carne, em seguida. Em nenhum destes momentos coloca-se em situação de erraticidade tal qual ocorre com o homem.

Considerando a dinâmica deste ciclo e distância que o mesmo se separa da dinâmica do progresso humano, somente os desígnios Divinos podem responder no que tange a vê-los após o nosso desencarne. Mas sabemos por meio do item “a” da questão número 597 do Livro dos Espíritos que a alma dos animais (na ausência de outro termo para designar o princípio vital que os regem) está para o homem assim como a alma do homem está para Deus. Logo, há uma distância muito significativa entre os planos de evolução de ambos.

Por fim, as ligações que criamos com os animais são fruto das interações de nossas cargas fluídicas com o princípio ativo que animam os corpos destes seres ainda em seus primeiros estágios de evolução. No caso dos cães, especificamente, o Espírito Charlet, na Revista Espírita de junho de 1860, nos diz que ele ainda pode perceber um Espírito do dono desencarnado por meio do olfato, mas principalmente, por meio do seu fluido magnético. Logo, o cãozinho percebe o dono, sente a sua presença e o segue, podendo até amá-lo com devoção, como se fosse um Deus, esteja ele encarnado ou não.

Cabe, então, de nossa parte, cuidarmos da melhor forma possível destas criaturas que nos foi dado por Deus para nos auxiliar, e no caso de outros animais, vestir e secundar. Se a perdermos pelas vicissitudes naturais da carne, devemos buscar na resignação e na fé Divina o agradecimento pela oportunidade que tivemos de evoluir nossos sentimentos e percepções através do ser que nos foi colocado em nosso caminho.

Lágrimas e dor são legítimas na perda destes amigos de estimação e devem ser respeitadas por tratarem-se de sentimentos humanos. Mas esta dor deve ser, tão logo possível, substituída por outros sentimentos motivadores ao progresso individual. Sejam eles representados por novos amigos de estimação ou outros focos para onde possamos convergir nossos sentimentos.

Márcio Martins da Silva Costa

fonte: http://www.agendaespiritabrasil.com.br

Referências:

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2004.
LUIZ, André; XAVIER, Franscisco Cândido; VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos. Rio de Janeiro: Editora Feb (federação Espírita Brasileira), 2008. 144 p.
XAVIER, Francisco Cândido. Nosso Lar: A vida no mundo espíritual. 54. ed. São Paulo: Feb, 2003. 335 p. Espírito de André Luiz.
REVISTA ESPÍRITA: Jornal de Estudos Psicológicos. Paris, França: Instituto de Difusão Espírita, v., junho 1860. Mensal.
REVISTA ESPÍRITA: Jornal de Estudos Psicológicos. Paris, França: Instituto de Difusão Espírita, v., agosto 1861. Mensal.
REVISTA ESPÍRITA: Jornal de Estudos Psicológicos. Paris, França: Instituto de Difusão Espírita, v., maio 1865. Mensal.

Sobre Fernando Rossit

Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo". (fmrossit@yahoo.com.br)

Veja

Como As Dores Dos Que Ficaram Afetam Os Espíritos?

Como ficamos quando os nossos entes amados se vão e como os afetamos mesmo que …

A Dor da Perda de um Ente Querido

Recebo inúmeros e-mail pedindo orientações a respeito de desencarnações de entes queridos. Perguntam-me: -Como superar …