Home / Espiritismo / Colunas / O Suicídio em Ibirá

O Suicídio em Ibirá

ibira 2

Uma tragédia familiar comoveu a Estância Turística de Ibirá, dia 03/11/2015. O menino José Lucas da Silva, de 4 anos, morreu depois de ter sido picado por um escorpião. Inconformados, pai e mãe tomaram veneno. O pai, Lucas, 40 anos, morreu, e a mãe recuperou-se após semanas internada em estado grave no Hospital de Base, em Rio Preto.

De acordo com Cristiano Requena, tio da criança, a família estava toda reunida na fazenda de Lucas, quando o menino reclamou de dor no dedão do pé. Quando os pais descobriram que tinha sido um escorpião, pegaram a caminhonete e foram para o Hospital de Base, que fica a cerca de 40 quilômetros de distância.

Eles ficaram juntos com o menino no HB até o momento que os médicos avisaram que o garoto tinha morrido”, disse o tio da criança. O menino José Lucas da Silva não resistiu ao tratamento médico e morreu por volta das 6h do 03/11/2015. Quando os pais souberam, ligaram para alguns parentes e comentaram “que a vida tinha acabado.” A frase seria um sinal de que cometeriam suicídio”(Diário da Região).

Não pretendemos, com essa análise, fazer julgamento de qualquer espécie nem mesmo esgotar todas as possibilidades, do ponto de vista espiritual, com relação a essa tragédia. Faremos algumas considerações para entendermos melhor os fatos ocorridos sob a luz do Espiritismo.

Ademais, não iríamos citar nomes se o caso não tivesse sido publicado nos principais veículos de comunicação escrita e falada.

Os Espíritos nos informam que a desencarnação na infância verifica-se, na maioria dos casos, por fatores não previstos. Isto quer dizer que a desencarnação prematura muitas vezes NÃO foi objeto de programação espiritual.

Isso acontece por qualquer acidente material muito próprio da organização humana e das condições precárias da vida planetária, onde o ambiente é hostil e sujeito as mais diversas provações (ver postagem nesse site “Crianças no Além” – pesquise por tema).

Mas existem também as desencarnações na infância que foram devidamente programadas no Plano Espiritual antes da reencarnação do Espírito. Elas ocorrem quando a desencarnação verifica-se por fatores registrados no histórico espiritual da criança.

São os casos de que dispõe a questão 199 de “O Livro dos Espíritos”. Estas crianças vieram completar o tempo de existência prematuramente interrompida na encarnação anterior por um suicídio ou acidente, muito comuns em planetas como a Terra.

Os Espíritos nos esclarecem que existem departamentos e escolas no Mundo Espiritual adredemente preparados para o acolhimento das crianças desencarnadas até a chegada da nova reencarnação, que poderá ocorrer na mesma família, caso possível.

No livro “Escola no Além”, de Chico Xavier, “Verinha”, a garotinha desencarnada, protagonista da obra, é levada para nova reencarnação por meio da sua própria mãe, no entanto, por questões fisiológicas aquela mulher (que seria sua mãe por duas vezes seguidas numa mesma existência), não poderia mais recebê-la. Foi assim que a Espiritualidade decidiu ligá-la à sua tia que podia e desejava uma gravidez. De qualquer forma, Verinha acabou por permanecer na mesma família, agora como sobrinha da sua primeira mãe.

Isto posto, podemos concluir que, se for possível, o menino José Lucas da Silva, desencarnado aos 4 anos, poderá voltar no seio da mesma família, pois sua mãe, Natália, tem apenas 29 anos. Caso a tentativa de suicídio de Natalia não tenha deixado sequelas graves, o retorno de José Lucas ainda poderá ocorrer através dela. Caso contrário, por meio de pessoa da família.

Para Natália, que de acordo o inquérito policial, teria sido obrigada pelo marido (Lucas) a ingerir o veneno, foi uma benção sobreviver.

Com certeza seus sofrimentos aqui na Terra por piores que venham a ser, serão muito menores que aqueles que teria de suportar se tivesse morrido por suicídio.

A palavra agora é superação. Fé em Deus, trabalho e aceitação.

Oremos pelo pai Lucas, que numa atitude de desespero tirou a própria vida. Se soubesse que tudo poderia ser reconstruído para o bem de todos, talvez não tivesse cometido o suicídio.

(Veja os textos que já se encontram postados nesse site sobre suicídio – “pesquisa por tema”)

O desespero não resolve problema de ninguém, sabemos disso. Mas como seria nossa reação se estivéssemos na situação de Lucas?

Deus é bondade e misericórdia, e não lhe faltarão os recursos espirituais para o próprio equilíbrio.

“Minha dor é enorme, mas eu sei que não dorme quem vela por nós.

Há um Deus, sim, há um Deus.

E Deus lá no “céu” há de ouvir minha voz”!

(Lupicínio Rodrigues)

Fernando Rossit

Bibliografia:

-O Livro dos Espíritos

-Cânticos do Coração, Vol.II – Yvone Pereira

-Escola no Além, Chico Xavier

Sobre Fernando Rossit

Avatar
Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

Demônios são Espíritos Humanos Bons ou Maus?

No Cristianismo, faz séculos, há uma crença, cada vez mais insustentável, a respeito dos demônios. …

O Monge que queria substituir Jesus na Cruz

Ouvimos por diversas vezes no meio espírita que quando não sabemos qual atitude tomar, devemos …

2 comentários