Home / Espiritismo / Colunas / O Poder Das Mãos

O Poder Das Mãos

Sidney Fernandes – 1948@uol.com.br

Numa feliz coincidência, encontrei o velho Gumercindo e sua mulher num voo de cidade litorânea para o interior. Como é que o velho benzedor ali se encontrava, em avião de alto porte, cujas passagens estariam bem acima de suas condições financeiras?

Minha esposa, sempre bem informada, socorreu-me, dizendo:

— Os filhos se cotizaram e deram a eles essa viagem de recreio.

Com o apagar das luzes de bordo, começamos a ouvir o choro de uma criança. Mariana, um bebê de cinco meses, não se aquietava de jeito nenhum.

Eu e minha esposa já estávamos em nossa décima oração, procurando transmitir um pouco de sossego e tranquilidade ao bebê, quando vimos, de longe, a esposa de Gumercindo acordando-o delicadamente. Provavelmente, Maria, a esposa do rezador, deve ter lhe perguntado:

— Será que você não consegue ajudar essa criança? Chora sem parar há uma hora e já está sem fôlego…

A mãe, meio desconfiada, seguiu Maria, com Mariana aos berros no colo. Gumercindo aconchegou a criança ao colo e, com uma das mãos, começou a acariciar a sua cabecinha. Num instante, como por encanto, ela se acalmou e dormiu.

Delicadamente, Gumercindo devolveu Mariana aos braços de sua mãe, que, surpresa e emocionada, balbuciou algumas palavras de agradecimento e voltou a sua poltrona.

Tripulantes e passageiros que acompanharam o milagre só não o aplaudiram pelo medo de acordar a criancinha.

Ao final da viagem, na descida do avião, Gumercindo, que precisou da ajuda de uma cadeira de rodas para vencer a distância até o saguão do aeroporto, recebeu um caloroso abraço do pai de Mariana, que lhe disse:

— Não sei quem é o senhor, mas dá para ver que é um homem bom, abençoado por Deus. Mariana está dormindo até agora, depois de horas de intranquilidade. Agradeço-lhe muito o que fez por ela, seja lá qual for a sua religião.

Acostumado com aquelas manifestações de carinho, o velho Gumercindo limitou-se a segurar a mão direita do pai da criança, com as suas duas mãos, num gesto que lembraria a bênção de um taumaturgo.

***

O que aconteceu ali? Um milagre dos santos? A manifestação do Espírito Santo? Ou simplesmente a manipulação de fluidos de um velho e dedicado benzedor, sempre envolvido por espíritos do bem? Não importa! A generosidade de Deus manifesta-se em qualquer local ou momento, desde que conte com os predicados magnéticos de um homem bom, habituado a transmitir as bênçãos que o Alto lhe confia.

Mesmo conhecendo-o há tantos anos, nunca deixarei de me emocionar e me surpreender com os dons inatos de Gumercindo, capazes de consolar, minimizar dores e até realizar curas, quando isso é permitido por seus mensageiros de luz.

Homens santos como Gumercindo jamais tiram férias. Sempre estão à disposição dos mentores espirituais para servir de intermediários, com seu magnetismo, à manifestação da bondade divina, não importando a hora, nem o local. Poderá ser numa humilde choupana, num centro espírita, num terreiro de umbanda, numa igreja católica, num templo evangélico ou, para surpresa de muitos, a bordo de uma aeronave, viajando a mais de setecentos quilômetros horários, numa altura de mais de dez mil metros.

Em qualquer lugar, onde houver a dedicação de um homem bom, fiel intermediário do bem, aí estarão também os enviados dos Senhor.

Sobre Sidney Fernandes

Avatar
Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

Evidências da Continuidade da Vida

Sidney Fernandes Os propósitos da vida dependem do seu significado em sua amplitude maior. Os …

Efeito Colateral do Amor

Sidney Fernandes Diante do sofrimento, há pessoas que fazem o bem buscando cura. Como alguém …