quarta-feira , novembro 21 2018
Home / Espiritismo / Comportamento / O Perdão Liberta

O Perdão Liberta

   “…O mundo está cheio dessas pessoas que tem o sorriso nos lábios e o veneno no coração; que são brandas contanto que nada as machuque, mas que mordem à menor contrariedade; cuja língua se transmuda em dardo envenenado, quando estão por detrás”. (E.S.E. Capítulo IX).

É próprio do ser humano agir dessa forma, pincipalmente no estágio em que os habitantes do planeta Terra se encontram. Vivemos um momento em que primitivismo, provas e expiações e regeneração se interagem no propósito de encontrar seu espaço, cada qual estagiando nas próprias dores e dificuldades.

Como abandonar milênios de “certezas” para aceitar milhares de “dúvidas”? Como despojar o homem velho que me dá uma aparente segurança, para incorporar o homem novo que preciso? Essa inconstância nos causa insegurança e medo. Medo do novo, medo de desconstruir ideias, medo de errar, enfim, medo de olhar para dentro e ter que sofrer com coisas que julgávamos mortas, como diz o cantor Raimundo Fagner em sua música “Revelação”:   “Sentimento ilhado, morto, amordaçado, volta incomodar”.

Nada morre, tudo se transforma. Mas para que haja transformação, será necessário fazer essa viagem interior, olhar com carinho nossas mazelas, aceitarmo-nos como realmente somos para então fazer a transição tão necessária. Aprender a descontruir, para reconstruir com bases mais sólidas nossas ideias e ações.

Enquanto estivermos nessa “guerra interior” nossas ações serão baseadas naquilo que sentimos, enxergamos e damos conta de fazer. Perdoar a si mesmo é uma meta dolorosa de atingir, mas extremamente necessária, porque quando isso acontecer não existirá mais culpados em nossa vida, e nosso relacionamento íntimo e com os demais será gratificante e não doloroso.

“Ai daquele que diz, nunca perdoarei, pois pronuncia sua própria condenação (Paulo Apóstolo E.S.E. Cap. X, Item 15)”.

A afirmação do apóstolo Paulo tem que ser analisada com carinho. A partir do momento em que eu digo “nunca perdoarei” realmente estarei me condenando a sofrer todas as vezes em que eu me deparar com aquela pessoa que me feriu; sofrer quando alguém me falar dela; sofrer quando ouvir o nome dela; enfim, condenado a me tornar escravo daquilo que me disseram mesmo sabendo eu que nem tudo que foi dito era verdade.

Essa preocupação com o que o outro pode pensar, me faz sofrer e por medo de sofrer me afasto cada vez mais das pessoas, buscando a solidão que considero uma proteção para meu íntimo incompreendido.

Lembrando que dor e sofrimento não é castigo nem evolução. São sinalizadores que alguma coisa tem que mudar; significa que você está contra você. A “compreensão” da dor, isso sim é evolução. Não basta eu identificar “o que” sinto, mas “por que” sinto.

Todo crescimento causa dor, mas quando consigo superar essa dor, a recompensa é gratificante.

Mágoa, rancor, insegurança, tristeza, doença, são “produtos” afins, derivados da falta de perdão. Analisemos:

Seria mais interessante, embora penoso, discutir o que faremos para perdoar um inimigo;

  • Como vencer um hábito sexual;
  • Como vencer impulsos menos dignos para com alguém;
  • Como ser uma criatura agradável onde vivemos;
  • Por que nos ofendemos com uma determinada forma de agir;
  • Qual a razão de nos irritarmos perante um fato específico;
  • Qual a origem de certas fantasias que nos acompanham compulsivamente;
  • Por que determinada tarefa é trabalhosa para nós;
  • Onde as causas da preguiça para estudar;
  • Como se sentir motivado para a leitura edificante;
  • O que podemos fazer para ajudar alguém que todos querem excluir;
  • Qual a causa dos pensamentos de vingança que costumam surgir em nossa tela mental;
  • Quais os traumas da infância que ainda nos influenciam na adulta idade;
  • Qual o motivo da atração ou rejeição por uma pessoa em particular…

São muitas as perguntas as quais fugimos por serem dolorosas, mas quando obtivermos essas respostas encontraremos o caminho da felicidade porque teremos a certeza que o perdão liberta.

Francisco Ortolan – Fernandópolis

Sobre Fernando Rossit

Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

Nos Momentos Graves use a Calma

A vida pode ser um bom estado de luta, mas o estado de guerra nunca …

A Parentela Corporal e a Parentela Espiritual

Os laços do sangue não criam forçosamente os liames entre os Espíritos. O corpo procede …