Home / Espiritismo / Colunas / O Gigante do Evangelho – Terceira parte – FINAL

O Gigante do Evangelho – Terceira parte – FINAL

Sidney Fernandes

Terminamos hoje esta série de textos sobre Paulo de Tarso, o apóstolo. Embora sua vida e obra precisassem de vários livros para serem totalmente registradas, aqui trouxemos um resumo para motivar o leitor a pesquisar e a valorizar o grande apóstolo do Cristo.

COMO SURGIU O EVANGELHO DE LUCAS?

Paulo foi preso várias vezes, acusado de defender e espalhar o cristianismo, em períodos que, somados, totalizaram entre cinco ou seis anos, presumidamente.

Durante sua reclusão em Cesareia, aproveitou o tempo para continuar mantendo relações com suas igrejas, com troca de mensagens que iam e vinham, consultas, pareceres e instruções. Numa dessas ocasiões, lembrou Lucas, seu fiel discípulo, de velho projeto de escrever uma biografia de Jesus.

Lucas, médico grego, não havia sido apóstolo, nem havia convivido com Jesus e provavelmente, como gentio, havia se convertido ao cristianismo pela pregação dos primeiros discípulos do Mestre. De onde ele colheria as informações para a obra encomendada por Paulo? A resposta não se fez esperar.

Maria, que havia participado intensamente da vida do filho, guardava, indelevelmente, preciosas informações que municiariam Lucas para a composição do livro.

Paulo reputava esse trabalho de capital importância para os adeptos do cristianismo. O médico amigo deslocou-se para Éfeso, onde Maria vivia sob os cuidados do apóstolo João, e lá fez as anotações evangélicas que até hoje se destacam pela riqueza de luzes e esperanças divinas. Certas parábolas, como a do Filho Pródigo e a do Bom Samaritano, são encontradas apenas no Evangelho de Lucas.

Graças a Maria, o Evangelho de Lucas destaca-se dos demais por conter a anunciação, a infância, a vida e o ministério de Jesus, bem como detalhes que demonstram que o médico evangelista deve ter tido conhecimento pessoal com ela. De todos, o Evangelho de Lucas e o Livro dos Atos são o que mais citam Maria, por noventa vezes, de um total de 152 versículos em todo o Novo Testamento.

QUAL FOI A PRINCIPAL RAZÃO PARA PAULO ACEITAR JESUS?

Não apenas a queda e a cegueira ocorridas nas portas de Damasco foram fundamentais, mas a experiência avassaladora com Jesus lhe deu a certeza de que estava lidando com o Messias, que viera para cumprir as promessas feitas no passado em forma de profecias, para dar ao povo o caminho glorioso da espiritualidade.

O profundo amor que ele tinha por seu povo de um lado e a experiência com o Cristo do outro lado, eram faces de uma mesma moeda que atendia seus irmãos judeus e estava abrindo um novo caminho para toda a sociedade humana.

Jesus o escolheu pela extrema fidelidade ao Antigo Testamento, que o levou a aceitar e divulgar para o mundo o Novo Testamento. Graças a Paulo pudemos conhecer Jesus e a sua imensurável mensagem de amor à humanidade.

 

Referências: Paulo e Estêvão e Pão Nosso, Emmanuel; Entrevista com o Apóstolo Paulo, Carlos Mesters.

Sobre Sidney Fernandes

Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

Misteriosa Doença

Sidney Fernandes Os desmaios e convulsões de Glória manifestaram-se ao final da puberdade. A princípio …

Animismo, Mistificação ou Excesso de Rigor?

Sidney Fernandes Na verdade a questão do animismo foi de tal maneira inflada, além de …