Home / Espiritismo / Colunas / Misteriosa Doença

Misteriosa Doença

Sidney Fernandes

Os desmaios e convulsões de Glória manifestaram-se ao final da puberdade. A princípio eram frequentes e exigiam constante atendimento médico. Com o surgimento de modernos anticonvulsivos, as crises se tornaram mais controladas, mas não desapareceram.

Casada com Olavo, que sabia, quando a conheceu, da cruz que deveria levar por toda a vida, recebia dele todo carinho e atenção, para a minimização dos achaques.

Dotado de recursos, o dedicado marido consultou clínicas e médicos especializados, que nada encontraram de anormal no cérebro de Glória. O terrível destino daquela infortunada senhora parecida estar indelevelmente traçado, entre agitações, perda de consciência, manifestações de xenoglossia e emissão de sons estranhos.

Surgiu um fio de esperança naquele revolto oceano de dores com o aconselhamento do Dr. Alexandre, diligente médico:

—Há enfermidades oriundas de lesões patológicas, mas também existem algumas que podem se manifestar sem qualquer dessas lesões.

— A que exatamente está se referindo, Dr. Alexandre?

— Sou simpatizante da intervenção de médicos da espiritualidade em doenças aparentemente insolúveis, como a de sua esposa. Conheço alguns casos intrincados que foram resolvidos com êxito graças à intervenção dos espíritos. O que pensam dos tratamentos espirituais?

O esposo da enferma aceitou a sugestão com simpatia e falou:

— Somos de formação católica e recorremos às orações de sacerdotes de nossa confiança. No entanto, já pensamos em procurar os espíritas, mas confesso que não tenho acesso a nenhuma instituição. Tenho certeza de que Glória aceitará de bom grado qualquer tipo de tratamento. O senhor poderá nos orientar?

***

Foi assim, inseguros, vacilantes e, por que não dizer, temerosos, que Glória e Olavo adentraram pela primeira vez um centro espírita. Adrede informados pelo médico Alexandre a respeito do doloroso histórico da enferma, dirigentes e componentes do grupo de atendimento fraterno do Grupo Espírita Emmanuel entenderam que, excepcionalmente, deveriam permitir que Glória e o marido acompanhassem de perto os trabalhos da noite. Manifestou-se o espírito de Rostan, em nome da equipe médica que prestava assistência àquela casa espírita.

— Com a graça de Deus, mais uma vez tivemos permissão para aqui comparecer. Especialistas estarão presentes para tentar aliviar dores de irmãos sofredores.

Para seu desespero, Olavo percebeu que Glória começava a apresentar os tremores que culminavam com convulsões e desmaios. A um discreto sinal de Rostan, o esclarecedor da reunião aproximou-se, apôs a destra sobre a cabeça de Glória e sustou, imediatamente a crise que se avizinhava.

— As marcas da perseguição espiritual já se fazem presentes na paciente — falou Rostan. A causa principal de sua doença, no entanto, é loucura obsessiva. Infelizmente, velho credor acompanha nossa infeliz irmã para ajuste de tristes reminiscências.

Paralelamente, um dos médiuns mais experimentados e equilibrados da casa sentiu violento entorpecimento dos sentidos. Era o obsessor que iria se manifestar.

— Não interfiram em meus negócios! — vociferou agressivo espírito, carregado de ódio e indignação. Minha vítima não merece comiseração e sim justiça. Minha vingança ainda não terminou.

Fez-se presente, então, todo o poder de convencimento do esclarecedor, que, naquele instante, se viu envolvido por verdadeiro anel de luzes que o inspirou e lhe deu energias para bombardear o obsessor com rajadas de amor e compreensão, visando o amolecimento de seus intentos.

Intuído por Rostan, um servidor da casa dirigiu-se ao fundo do recinto, onde estava Glória, e docemente a conduziu ao lado do médium que dava passividade ao mentor da casa.

— Minha irmã. Em vida anterior ocorreram fatos lamentáveis envolvendo o irmão aqui presente, que, infelizmente, não usou do perdão e ainda respira vingança, e vem lhe trazendo toda a sorte de perturbações possíveis.

Dirigindo-se ao obsessor, falou Rostan:

— Eis aqui a sua vítima. Ela mudou e não é mais a pessoa que o prejudicou. Veja o estado em que se encontra. Quer você assumir a responsabilidade de sua derrocada? No que você está sendo melhor do que sua antiga antagonista?

Nesse instante, manifestou-se por outro médium entidade trazida pelo protetor espiritual de Glória:

— Meu querido menino. Sou seu pai e vim buscá-lo, pois chegou a hora de sua redenção. Sei que sofreu muito, mas, sua esposa, situada em casa espiritual, anseia por sua presença. Não está na hora de colocar suas mágoas nas mãos de Deus?

O velho perseguidor havia sido tocado em suas entranhas pelas tocantes palavras de seu pai, que vinha buscá-lo. Lágrimas inundaram o rosto de Glória, que sentiu, assim como o esposo Olavo, a libertação do obsessor, que se deixara tocar pelo amor.

Rostan dirigiu-se a Glória, que, pela primeira vez, depois de anos de sofrimento, estava perfeitamente lúcida para ouvir o espírito de luz:

— Minha irmã Glória. A bondade de Deus se fez presente nesta noite. Mas a luta só está começando. O bem pede o seu concurso e será com retidão de conduta e pela renovação que você se libertará definitivamente da doença.

Olavo e Glória debulhavam-se em lágrimas. Enlaçados pelo abraço do médico Alexandre, sairiam dali renovados para uma vida saudável, graças à misericordiosa manifestação da bondade divina.

 

REFERÊNCIAS: Nos domínios da mediunidade e Libertação, de André Luiz; BBC News – Brasil, postagem Centro Americano faz diagnóstico de pacientes com doenças misteriosas.

Sobre Sidney Fernandes

Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

Animismo, Mistificação ou Excesso de Rigor?

Sidney Fernandes Na verdade a questão do animismo foi de tal maneira inflada, além de …

Uma Oração Jamais Se Perde

Sidney Fernandes Desde os primórdios o homem sempre recorreu à divindade. Pinturas rupestres registraram súplicas …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.