Home / Atualidades / A Memória de Isabella Nardoni e a recuperação emocional da Mãe, Ana Carolina

A Memória de Isabella Nardoni e a recuperação emocional da Mãe, Ana Carolina

“Eu realmente aprendi a lidar com a dor”, responde Ana Carolina Oliveira, de 33 anos, com naturalidade, já na primeira pergunta sobre os 10 anos sem a filha Isabella Nardoni. Ao Estado, a mãe da menina diz que superou a tragédia e refez a vida. Está casada, tem outro filho de 1 ano e (quase) 10 meses, o Miguel, e faz planos de engravidar de novo. “A memória dela, para mim, é eterna. Tenho saudade, é claro, mas hoje não é uma ferida tão aberta.”

O assassinato de Isabella, em 29 de março de 2008, atraiu holofotes do Brasil inteiro e até houve pedido para a Justiça transmitir ao vivo o julgamento. Parte da repercussão se explica: o júri entendeu que os autores do crime foram o pai, Alexandre Nardoni, e a madrasta, Anna Carolina Jatobá, condenados a 30 e 26 anos. Os dois alegam inocência, e a defesa recorre no Supremo Tribunal Federal.

Anna Carolina Oliveira, renovação.

Ana Carolina Oliveira, de 33 anos, se casou e teve um filho, Miguel, de 1 ano e 9 meses; ‘A Isa não gostava de me ver triste. Eu preciso seguir’.

“Quem cometeu era quem deveria protegê-la”, afirma a mãe, que prefere mudar de assunto a falar do casal.

Relembre o caso Isabella Nardoni

Em duas horas de conversa, Ana Carolina mostra ser extrovertida. É mais fácil vê-la fazer piada do que chorar. Emocionou-se uma vez, ao contar que Isabella, estirada no jardim, ainda estava viva quando ela chegou ao Edifício London, o prédio dos Nardoni. “Acredito que me esperou para se despedir.”

Filhos

Conheceu o marido Vinicius Francomano, de 31 anos, às vésperas de ir estudar seis meses na Califórnia, nos Estados Unidos. Eles se casaram em 2014: Miguel nasceu dois anos depois. “Não houve menção a Isabella até o momento final, do beijo dos noivos”, conta o reverendo Aldo Quintão, que celebrou a cerimônia na Catedral Anglicana de São Paulo. Nessa hora, tocou Noites Traiçoeiras, do Padre Marcelo Rossi, em homenagem à menina: “O mundo pode até fazer você chorar/mas Deus te quer sorrindo”.

O avô materno visita o túmulo de Isabella todo domingo. A mãe, por sua vez, não costuma ir ao cemitério “A memória dela é muito além de uma campa”, diz Ana Carolina, que é espírita, doutrina que crê em reencarnação e não sacraliza o corpo. “Para um caso como o meu, é onde se encontra mais respostas.”

“Tenho lembranças boas, e não de sofrimento”, afirma Ana Carolina, que guarda roupas, calçados e brinquedos de Isabella. Entre eles, há um coelhinho de pelúcia com o qual ficou abraçada no velório da filha. “Por coincidência, Miguel estava brincado com ele outro dia.”

Isabella morreu, aos 5, no ano que seria alfabetizada. Tinha o sonho de aprender a ler. Miguel está na fase de falar sem parar, imitando até propaganda. Outro dia, deixou todo mundo de boca aberta quando a campainha tocou. “Ó, pancainha”, disse, trocando as sílabas. Isabella falava exatamente assim.

Fonte: Estadão

Sobre Fernando Rossit

Avatar
Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

Amor de Outras Vidas

Onde estará o meu amor? Será que chama como eu? Será que vela como eu? …

Quais as causas do Sono incontrolável que Algumas Pessoas sentem em Palestras e Salas de Estudo?

Havia um aluno muito interessado pelo estudo de doutrina espírita do qual participávamos e que, …