domingo , dezembro 17 2017
Home / Espiritismo / Comportamento / A Mãe de Mil Filhos

A Mãe de Mil Filhos

A mãe de mil filhos

Maria Inês não teve filhos.

Maria Inês é enfermeira de uma UTI neonatal há vinte e quatro anos.

Ela é mãe de uma forma toda especial pois, por suas mãos, por seus cuidados, já passou mais de um milhar de crianças.

O vídeo preparado por uma agência de publicidade para homenageá-la ultrapassou cinco milhões de visualizações e o número continua subindo.

Nele, a técnica de enfermagem narra, com detalhes, o trabalho delicado e gratificante que faz, cuidando dos bebês como se fossem seus filhos.

O bebê prematuro é um bebê que fica muito tempo internado no hospital, e a gente acaba criando um vínculo muito grande com o bebê e com a família. – Diz ela.

Eu me lembro, um por um daqueles bebês. – Afirma com segurança, folhando um álbum recheado de fotografias dela junto com seus filhos temporários, e dizendo o nome de cada um.

Alguns deles, ela chegou a acompanhar durante as cirurgias delicadíssimas às quais se submeteram, permanecendo ao seu lado nesses momentos críticos do início de suas existências.

Folhando a coleção de fotos e memórias ela se pergunta: Como foi a primeira noite deles em casa? Como foi a infância deles? Será que é médico, engenheiro, professor? A gente sente saudade deles…

A agência fez uma grande surpresa para Maria Inês: na cobertura de um prédio, projetou diversas fotos em tamanho gigante. Fotos dela com seus inúmeros filhos. Algumas fotos de seu álbum.

E quando ela menos esperava, através de um portão começaram a entrar diversas pessoas, vindo em sua direção.

Vinham para abraçá-la.

E cada uma foi se apresentando. Ela foi reconhecendo, um a um, muitos daqueles que cuidou com tanto amor em seus primeiros segundos de vida, na UTI neonatal do hospital.

Um momento de extrema beleza e emoção. Um momento que simboliza o mundo novo, o mundo que irá celebrar muito mais o nascimento do que a morte, a criação do que a destruição.

*   *   *

Quando aprendermos a dar mais valor a enfermeiras do que a pop stars ou falsas celebridades que, muitas vezes, sem mérito algum, ganham a atenção e o respeito de muitos, demonstraremos que estamos começando a amadurecer como humanidade.

Por enquanto, ainda estamos na infância, ou numa pré-adolescência sofrida, de conflitos, de revoltas, de guerras tolas e sem sentido.

Por enquanto, buscamos sair deste lamaçal que nós mesmos criamos, através de tantos séculos de comportamentos individualistas e materialistas.

Histórias como a dessa enfermeira nos emocionam, nos envolvem, pois mostram uma nova relação da profissão com o ganho material.

Exemplos como esse são muitos. São os que já estão crescidos e vêm estender as mãos à maioria cambaleante, oferecendo mais uma oportunidade.

Aproveitemos as chances que a vida nos dá. Aprendamos com as almas nobres. Não desperdicemos uma existência em buscas inúteis e estéreis como fizemos de outras vezes.

O amor é o convite mais suave e mais poderoso que recebemos diariamente. Aceitemo-lo. Entreguemo-nos a ele.

Redação do Momento Espírita.
Em 14.4.2015.

 

Sobre Soraia Vanzela Poceiro

Veja

Quanto Aos Outros…

Quanto aos outros Se você acredita que possa alcançar a sublimação espiritual sem os outros, …

O Poder Pessoal

O PODER PESSOAL Há alguns séculos, um homem foi procurar o conselho de um sábio …