Home / Espiritismo / Colunas / Imaginemos

Imaginemos

Imaginemos um povo vivendo sob o poder de outro povo há mais de sessenta anos, submetido a uma carga tributária vultosa em seu próprio território e ainda sendo tratado como escória humana, pressionado pela cultura do invasor e com a ordem sendo mantida por militares extremamente truculentos.

Imaginemos o anseio de libertação que sobrepaira esse povo, que acredita, obsessivamente, ser o povo eleito por Deus para viver no paraíso e ser de condição melhor do que seus algozes.

Imaginemos o grau de orgulho que se atinge, notadamente entre os religiosos, que ditam as regras de comportamento dos indivíduos que compõem esse povo, e que acreditam serem os representantes de Deus na Terra.

Imaginemos uma época em que a expectativa de vida situava-se por volta de quarenta anos, em função da miséria material provocada pela ignorância e pelo atraso moral-intelectual, portanto sem medicamentos, saneamento básico, luz elétrica, etc.

Imaginemos a intensidade do instinto de conservação que permeia esse povo, que por conta das dificuldades de sobrevivência, sob todos os aspectos, acaba por criar e fortalecer o egoísmo e a concorrência humana para preservação da vida e manutenção das conquistas conseguidas.

Imaginemos, por último, a cultura desse povo, que tem como premissa a justiça do olho por olho e dente por dente, que entende que a mulher não possui valor e, portanto, é um objeto do homem, que autoriza matar os filhos rebeldes, que expulsa os doentes do convívio social, entre outras barbaridades.

Pois é nesse contexto que Jesus, há dois mil anos, apareceu na face do planeta.

Imaginemos o choque cultural causado por Suas orientações, fundamentadas no amor até mesmo aos inimigos, e que desmontavam as ideias que se tinha do reino dos céus.

Imaginemos a indignação causada aos detentores dos poderes religiosos, quando comparados aos sepulcros e as meretrizes, em função de seus comportamentos.

A reação só poderia ser fulminante, como o foi.

Mas o que importa para Jesus?

Importa satisfazer a vontade de Deus, para cumprimento das Leis Naturais, que no tocante ao progresso visa levar os espíritos a perfeição, mesmo quando não se tem noção disso.

Por efeito do amor, que busca os atrasados do caminho, Jesus tomou para si a dificílima tarefa de plantar no coração humano a semente do amor na sua real expressão, a despeito de todas as dificuldades existentes. Dando-nos o exemplo que devemos, por nossa vez, buscar fazer o mesmo que Ele fez, impulsionando-nos para as conquistas espirituais de que somos necessitados, cumprindo com o fatalismo da perfeição individual estabelecida pelo Criador para cada um de nós.

Pensemos nisso.

Antonio Carlos Navarro

Originally posted 2014-12-09 05:03:02.

Sobre Antonio Carlos Navarro

Avatar
Espírita de São José do Rio Preto - SPFrequentador e Dirigente do Centro Espírita Francisco Cândido Xavier em São José do Rio Preto, SP. Estudioso, palestrante e editor de inúmeros textos e conteúdo EspíritaGênero de livros Espírita que prefere: Mediunidade, DoutrinárioIniciou seus primeiros contatos com a Doutrina Espirita: 1986

Veja

Esquecimento do passado e consciência

Há milênios o Homem tem consciência da responsabilidade de seus atos, e das conseqüências a …

Tatuagem e Perispírito

Tatuagens marcam o períspirito? Esse foi o questionamento que nos fizeram logo após uma palestra …