Home / Espiritismo / Colunas / Homem ou Mulher?

Homem ou Mulher?

Sidney Fernandes – 1948@uol.com.br

O legítimo feminismo, não o do estímulo às passeatas com estandartes coloridos, mas o que outorga diretrizes superiores e edificantes às mulheres, surgiu com Jesus. Antes dele, o judaísmo considerava a mulher mercadoria condenada ao cativeiro. Com Jesus, houve a inauguração de uma nova era para as esperanças femininas, pois no evangelho encontramos a consagração da Mãe Santíssima, a conversão de Madalena, a dedicação das irmãs de Lázaro e o espírito abnegado das senhoras de Jerusalém que acompanharam o Mestre até o último instante de sua vida.

Depois de Jesus, não obstante a aspereza de suas palavras, Paulo de Tarso consolidou o movimento regenerativo feminino, levantando a mulher de sua aviltada condição para alçá-la à condição de mãe, irmã e filha, como criatura de Deus.

Esse processo de libertação teve sequência no século XIX, através da grandiosidade histórica do professor Rivail. Ele casou-se com uma senhora intelectualizada e nove anos mais velha, caso atípico para sua época. Com ela — também educadora — militou pela educação e pelo direito de as mulheres se formarem em medicina, bem como defendeu o voto feminino.

Já com o pseudônimo de Allan Kardec, Rivail ressaltou que a diferença entre os sexos restringe-se aos gêneros da organização física, porquanto o espírito pode renascer com um sexo ou com outro, sendo lícita a igualdade de direitos entre o homem e a mulher, diferenciando-se apenas suas respectivas funções.

Outro aspecto importante a se considerar foi ele ter escolhido mulheres como intermediárias dos espíritos. As melhores mediunidades dos seus colaboradores eram exercidas por meninas, cujas idades variavam entre quatorze e dezessete anos.

Somos absolutamente iguais! Somos espíritos e o corpo é apenas uma veste temporária. Dessa forma, podemos reencarnar como homens e como mulheres, brancos, negros, amarelos, e em qualquer classe social e em qualquer país, assevera Rivail, em pleno olho do furacão, isto é, em meados do século XIX, quando havia se iniciado o movimento de emancipação da mulher, entre as décadas de 1840 e 1850.

Espíritos não têm preferência para nascer como homem ou como mulher, porque o que efetivamente lhes interessa é o progresso, haurido nas diversas provações e deveres especiais atinentes a cada sexo.

O que Jesus e Kardec não disseram — não porque desconhecessem, mas porque os homens não os entenderiam — é que a reencarnação num corpo feminino tem o condão de tornar o espírito mais sensível. O desenvolvimento cerebral conta com a emoção e a sensibilidade da mulher.

Além disso, enquanto o homem pode executar no máximo duas tarefas ao mesmo tempo, a mulher, simultaneamente, pode exercer as funções de mãe, esposa, profissional, cozinheira e pilotar tranquilamente as funções de gestora de um lar.

Por isso ela é mais propensa à atividade religiosa e mais sensível aos valores espirituais — complementa Richard Simonetti.

***

Espíritos conscientes de suas responsabilidades reencarnatórias superarão as limitações e valorizarão as virtudes de cada vida, seja ela em corpo feminino ou em corpo masculino, para melhor aproveitar sua experiência evolutiva.

 

Fontes consultadas:  Pão Nosso, de Emmanuel; O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec; artigo A Mulher e o Espiritismo, de Dora Incontri; e O Que Fazemos Neste Mundo, de Richard Simonetti.

 

Sobre Sidney Fernandes

Avatar
Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

A Cura

Sidney Fernandes 1948@uol.com.br Em existência anterior, Cláudio abusou de seu poder e esmagou Celso, prejudicou …

Como Vai Você? (sobre Suicídio)

Sidney Fernandes 1948@uol.com.br Último Não, O Mais Recente Todas as vezes que eu me referia …