Home / Espiritismo / Doutrina Espirita / Fake News e Responsabilidade Cristã

Fake News e Responsabilidade Cristã

São muitos os “falsos profetas” que se protegem no anonimato dos recursos tecnológicos.

Um fenômeno singular e preocupante que tem marcado a era digital e altamente conectada em que vivemos é, sem dúvida, o das chamadas fake news, isto é, a divulgação e a disseminação pelas mídias e redes sociais de notícias falsas de toda espécie.

Segundo reportagem do jornal Estado de Minas, de janeiro de 2018: “Um levantamento realizado pelo Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação (Gpopai) da Universidade de São Paulo (USP) revela que essa ameaça é bem maior do que se imaginava. Somente nas redes sociais, 12 milhões de brasileiros compartilham informações inverídicas, as chamadas fake news.”[1]

Outra reportagem, desta vez da Folha de S. Paulo, de março de 2018, evidencia ainda mais a dimensão do problema ao relatar os resultados de uma pesquisa realizada pelo renomado MIT (Massachusetts Institute of Technology), que concluiu: “Notícias falsas, as chamadas fake news, espalham-se pelas redes sociais de forma mais rápida, mais fácil e mais ampla do que as notícias reais. O motor da mentira não é composto só por robôs. São as próprias pessoas que, levadas por sentimentos de surpresa, repulsa e medo, compartilham as fake news de forma abundante.”[2]

Diante desse cenário e dos momentos pelos quais a civilização terrestre passa atualmente, é quase inevitável a associação com uma das falas de Jesus em seu conhecido Sermão Profético, em que, desvelando os séculos futuros, o Divino Mestre nos revelava algumas das características do processo de transição planetária, ora em curso na Terra: “E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.”[3]

De fato, quantos não têm sido os “falsos profetas” que se aproveitam do anonimato que os recursos tecnológicos lhes proporcionam para semear a mancheias a falsidade, buscando atender a seus interesses mesquinhos – muitas vezes criminosos –, em detrimento da ética e da paz, da ordem e da harmonia social? Quantas calúnias, difamações e maledicências, sempre tão prejudiciais, não têm tido aí a sua origem? Por outro lado, quantos não têm sido aqueles que, invigilantes e imprudentes, têm contribuído para que essa problemática se amplie, divulgando e compartilhando conteúdos falsos e duvidosos em suas mídias e redes sociais? E, pior, quantos destes não pertencem às fileiras espíritas e cristãs?

Como consequência, acaba por estabelecer-se na sociedade um ambiente de crescente desconfiança, insegurança e medo, onde se proliferam os antagonismos, as dissidências, a revolta, o ódio, enfim, o egoísmo com todas as suas consequências lamentáveis para a vida social, especialmente nos momentos de crise. Abalam-se, assim, as relações entre os indivíduos, que passam muitas vezes a enxergar seu semelhante como um inimigo em potencial, com algum interesse oculto em prejudicar-lhe. A mesma lógica se aplica às instituições. Com isso, muitos acabam por colocar-se na defensiva em relação aos demais, isolando-se cada vez mais no cárcere do próprio egoísmo. Da “abundância da iniquidade”, o amor e a caridade de muitos termina por “esfriar”, exatamente como descrito pelo Cristo, há dois mil anos, e como reforçado por Fénelon, em O Livro dos Espíritos:

“O choque, que o homem experimenta, do egoísmo dos outros é o que muitas vezes o faz egoísta, por sentir a necessidade de colocar-se na defensiva. Notando que os outros pensam em si próprios e não nele, ei-lo levado a ocupar-se consigo, mais do que com os outros.”[4]

Naturalmente, as repercussões negativas desse crescente egoísmo logo se fazem sentir na sociedade como um todo, e mesmo na família, conforme sintetizado por Pascal em O Evangelho Segundo o Espiritismo:

“O egoísmo é a negação da caridade. Ora, sem a caridade não haverá descanso para a sociedade humana. Digo mais: não haverá segurança. Com o egoísmo e o orgulho, que andam de mãos dadas, a vida será sempre uma carreira em que vencerá o mais esperto, uma luta de interesses, em que se calcarão aos pés as mais santas afeições, em que nem sequer os sagrados laços da família merecerão respeito.”[5]

No que diz respeito a nós, espíritas, de maneira mais específica, podemos identificar um sem-número de mensagens e alertas falsamente atribuídos a lideranças, expositores, médiuns e Espíritos reconhecidos em nosso meio sendo compartilhados sem qualquer análise ou critério, em total contradição com o espírito de ponderação, lógica e bom senso apresentado pelo Codificador. Mais do que isso, menosprezando muitas vezes a fé raciocinada e a própria caridade cristã, que deveriam ser os elementos norteadores de cada uma de nossas ações.

Quantos males, desse modo, não têm nascido dessa postura invigilante e imprudente que, distanciada do senso de responsabilidade e da sensatez, não medita no alcance e nas consequências de suas ações? Males que afetam a nós mesmos e à sociedade, como também à própria Doutrina Espírita, tantas vezes associada ao sensacionalismo e à superstição em mensagens inverídicas que acabam por deturpá-la e diminuí-la perante muitos.

Por esse motivo, alerta-nos o benfeitor Emmanuel categoricamente:

“Falsos discursos enganaram indivíduos, famílias e nações. Acreditaram alguns em promessas vãs, outros em teorias falaciosas, outros, ainda, em perspectivas de liberdade sem obrigações. E raças, agrupamentos e criaturas, identificando a ilusão, atritam-se, mutuamente, procurando a paternidade das culpas.

“Muito sangue e muita lágrima tem custado a criação do verbo humano. Impossível, por agora, computar esse preço doloroso ou determinar quanto tempo se fará necessário ao resgate preciso.”[6]

É imprescindível, portanto, que nós, espíritas e cristãos, repensemos nossa postura diante desse quadro, a fim de que não nos contemos também entre esses falsos profetas que contribuem para a manutenção desse estado de coisas. É preciso que meditemos em qual tem sido a influência que temos causado naqueles que nos cercam, no tipo de emoções, pensamentos e ideias que temos semeado em seus corações e mentes.

Sejamos, antes, profetas da paz, da alegria e da esperança. Da educação, da verdade e do bem. Enfim, profetas de um novo tempo, de uma nova sociedade, em que a fraternidade, a caridade e o cumprimento do dever sejam realmente as bases das relações entre indivíduos e nações. Os verdadeiros profetas, que, conforme definem os Espíritos Superiores, são homens de bem[7], comprometidos com o bem coletivo e com as Leis do Criador.

Nesse sentido, vale aqui recordar os três crivos de Sócrates resgatados por Irmão X em um de seus textos[8]: verdade, bondade e utilidade. Parafraseando o grande filósofo: “se o que intentamos passar adiante não é nem verdadeiro, nem bom e nem útil”, por que então fazê-lo? Se o conteúdo que iremos compartilhar não estimulará aqueles que o receberem a ser melhores, mais comprometidos com a verdade, com o bem e com o serviço aos semelhantes, por que então repassá-lo?

Busquemos, assim, analisar cuidadosamente cada notícia, mensagem ou informação que nos chega antes de passá-la adiante. Verifiquemos, antes de tudo, a sua procedência, se é verdadeira e confiável. Procuremos identificar a fonte original que a veiculou e a data em que isso se deu ou a obra de onde foi retirada. Em se tratando do discurso ou da fala de alguma autoridade política, civil ou religiosa, busquemos averiguar se realmente foi dita pelo indivíduo ao qual é atribuída. No caso específico de mensagens ou discursos atribuídos a Espíritos ou personalidades reconhecidas em nosso movimento espírita, além de verificar a sua origem, analisemos também o seu conteúdo doutrinário, a sua clareza, a sua coerência, a sua fidelidade aos princípios básicos da Doutrina Espírita e do Evangelho. Desconfiemos daquelas com algum caráter de misticismo, superstição ou sensacionalismo, ou daquelas que incitam a revolta, a violência e a desesperação, uma vez que o Espiritismo não se coaduna com tais características.

Somente agindo com cuidado estaremos minimamente precavidos para passar adiante um determinado conteúdo com mais segurança, contribuindo para a criação e a manutenção de uma ambiência social mais harmônica e, por conseguinte, para a atuação do Cristo e dos seus Mensageiros no mundo e em nosso próprio lar.

Estejamos, pois, vigilantes e despertos para a grave responsabilidade que temos por tudo aquilo que veiculamos diariamente através das nossas mídias e redes sociais, e mesmo em nossas conversas casuais, atentos às importantes advertências de Emmanuel para todos nós:

“Qual é o caminho que a nossa atitude está indicando?

“Um pouco de fermento leveda a massa toda. Não dispomos de recursos para analisar a extensão de nossa influência, mas podemos examinar-lhe a qualidade essencial.

“Acautela-te, pois, com o alimento invisível que forneces às vidas que te rodeiam.”[9]

Artur Valadares

arturvaladares@gmail.com

Fonte: O Clarim

Referências:

  1. Portal Jornal Estado de Minas. 12 milhões de brasileiros compartilham fake news, diz pesquisa. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2018/01/02/interna_politica,928147/12-milhoes-de-brasileiros-compartilham-fake-news-diz-pesquisa.shtml
  2. Portal Folha de S. Paulo. Fake news apelam e viralizam mais do que notícias reais, mostra estudo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/03/fake-news-apelam-e-viralizam-mais-do-que-noticias-reais-mostra-estudo.shtml
  3. Mateus, 24:11,12.
  4. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Q. 917.
  5. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. 11, it. 12.
  6. XAVIER, Francisco Cândido. Pão Nosso. Cap. 165.
  7. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Q. 624.
  8. XAVIER, Francisco Cândido. Aulas da Vida. Pelo Espírito Irmão X. Cap. 28.
  9. XAVIER, Francisco Cândido. Fonte Viva. Cap. 108.

Sobre Fernando Rossit

Avatar
Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

O Jovem Subjugado por um Espírito Alcoólatra

Certa vez, eu, Sr. Rubens e mais dois amigos, encontrávamo-nos em frente do Kardec conversando …

“O Meu Obsessor não Permitiu Que Eu Me Casasse”

O médium Divaldo Pereira Franco contou uma história verídica, aliás, utilíssima para os dirigentes e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.