Home / Espiritismo / Colunas / Esqueça-Me!

Esqueça-Me!

Sidney Fernandes – 1948@uol.com.br

Acreditaria o caro leitor se eu lhe dissesse que, em 1931, Emmanuel teria recomendado a Chico Xavier que dele se afastasse e o esquecesse? Isso realmente aconteceu?

Antes de elucidar devidamente esse assunto, atentemos para esta definição de Allan Kardec sobre fundamental tema da Doutrina Espírita, que consubstancia importante texto da moral de Jesus: O Homem de Bem.

***

Na questão 918, de O Livro dos Espíritos, o conceito do homem de bem é assim assentado em três pilares da moralidade humana: justiça, amor e caridade.

Tendo como guia a sua consciência, o homem de bem indagará se guardou respeito às leis humanas, se evitou todo mal, praticou todo bem ao seu alcance e se fez ao semelhante somente o que gostaria que lhe fizessem. Teria que confirmar para si mesmo se tem sido útil e não tem dado motivo de queixa de outras pessoas.

Já está plenamente convicto de que, mesmo sem recordar por que sofre, está colhendo o fruto de sua semeadura? Submete-se efetivamente à vontade de Deus sem blasfêmias e murmúrios? O bem começa a brotar naturalmente de seu coração?

Diante desse resumido conceito do autêntico cristão, já podemos nos considerar homens de bem?

***

O que afinal têm a ver estas importantes contribuições filosóficas de Allan Kardec com a chamada inicial deste texto? Vejamos o que ocorreu com Chico Xavier, em 1931, quando recebeu novamente a visita de seu mentor espiritual, desta vez para lhe ministrar sua segunda orientação.

A primeira – recordemos- foi para lhe recomendar disciplina, disciplina e disciplina, no exercício da mediunidade.

Chico estava descansando nos fundos da fábrica de tecidos em que trabalhava, perto de um belo e calmo canal de água, quando Emmanuel assim lhe falou:

Se algum dia eu lhe disser algo diferente do que disseram Jesus e Kardec, fique com eles e me esqueça.

***

Em quase setenta anos de convivência com Chico, seu guia espiritual jamais afastou-se do Cristo e de Allan Kardec. Ao contrário, tornou-se o maior intérprete de ambos, concitando o homem de bem a persistir e a honrar seus ensinamentos.

Guardou estrita fidelidade aos princípios fundamentais das divinas revelações do amor e da razão.

E nós, aproximamo-nos do conceito de homens de bem?

Podemos afirmar que já conseguimos não mais nos afastar do Cristo e de Allan Kardec?

 

Fontes consultadas: Religião dos Espíritos, de Emmanuel; No Mundo de Chico Xavier, de Elias Barbosa; e O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec.

 

Sobre Sidney Fernandes

Avatar
Sidney Fernandes (1948@uol.com.br) nasceu em Bauru, em 1948. Gerente do Banco do Brasil e Empresário, hoje está aposentado e se dedica integralmente à veiculação do Espiritismo. Participou ativamente da Mocidade Espírita até integrar-se ao Centro Espírita Amor e Caridade de Bauru (SP). Escritor e orador profere palestras em várias cidades brasileiras. Veja página deste Autor

Veja

Com quem você gostaria de Jantar?

Se lhe dessem a oportunidade de receber alguém em sua casa, quem você escolheria? Difícil …

Levantar os Olhos

Sidney Fernandes – 1948@uol.com.br Levantai os vossos olhos e vede as terras, que já estão …