Home / Espiritismo / Colunas / Cirurgia Plástica

Cirurgia Plástica

Perguntaram a Chico Xavier:

– Você faria uma plástica facial?

– Claro, se me fosse possível, pois assim não assustaria tanto meus semelhantes.

A resposta bem-humorada do médium nos conduz à problemática dessa especialidade médica, bastante desenvolvida na atualidade.

Técnicas modernas tornaram os procedimentos mais simples e acessíveis.

Há, porém, sob o ponto de vista espiritual, a impertinente questão:

Será lícita essa iniciativa, buscando-se a beleza física, quando o que importa é o embelezamento espiritual?

Bem, amigo leitor, costuma-se dizer que para sermos felizes devemos gostar de nós mesmos.

Obviamente, isso envolve, também, a aparência.

Razoável, portanto, que a pessoa não satisfeita com seu visual trate de melhorá-lo.

Argumentam os opositores que seria incensar a velha vaidade humana, tão prejudicial à evolução do Espírito.

Se assim considerarmos, deveremos renunciar aos cuidados com a roupa, os sapatos, os cabelos, a higiene pessoal…

Todos apreciam uma pessoa bem trajada, cabelos bem penteados, suave perfume…

Igualmente desejável boa postura, ar saudável, expressão jovial, harmonia nos traços, ausência das rugas que tanto incomodam a alma feminina.

Há profissionais que devem observar cuidadosamente esses aspectos: modelos e artistas, por exemplo, cujo trabalho exige apuro com o visual.

Condenável seria o excesso.

Vejo pessoas que se submetem a tantas recauchutagens faciais que ficam com a aparência de uma boneca de cera, pele esticada, face inexpressiva.

Ouvi, certa feita, famosa atriz já na madureza, a proclamar que jamais se submeteria a cirurgia rejuvenescedora facial, por considerar que rugas dão dignidade e respeitabilidade à velhice.

Exemplar sua postura, embora não devamos levar sua observação a extremos, suprimindo até mesmo os recursos de preservação da saúde.

Afinal, de certa forma contrariamos a Natureza quando lutamos contra a morte, buscando longevidade.

***

Há a questão do carma.

A cirurgia plástica estaria interferindo na programação?

Será?

Consideremos a herança genética.

Herdamos de nossos pais suas características físicas e não me parece que toda uma ancestralidade tenha enfiado o nariz onde não devia ou não ouviu os avisos da vida, justificando o nariz adunco ou as orelhas de abano.

Mesmo quando há legítimo problema cármico, relacionado com a aparência ou a funcionalidade física, isso não significa que não possamos corrigi-lo ou amenizá-lo.

Na contabilidade espiritual, quando se trata do pagamento de débitos cármicos, a Medicina, com seus avanços, é a própria Misericórdia Divina a nos oferecer generosos descontos, amenizando as dores do resgate.

***

Consideremos, ainda, que a dor é apenas o estágio primário no processo de reajuste quando contrariamos as leis divinas e nos comprometemos no mal.

Num segundo estágio, há os prejuízos que causamos.

Um exemplo:

Num exercício de vandalismo, chuto a vitrine de uma loja, fazendo-a em pedaços. No ato corto a perna e vou parar no hospital.

Dependendo dos recursos que venha a mobilizar, inclusive cirurgia plástica, posso demorar mais ou menos na recuperação, ficar ou não com antiestética cicatriz ou limitação de movimentos, mas o resgate de minha dívida com o comerciante será o meu compromisso maior.

Somente estarei liberado quando ressarcir os prejuízos que lhe causei.

Ainda que ele não necessite dessa reparação, sentir-me-ei em débito com minha própria consciência, obrigando-me a ações compensatórias dirigidas ao bem comum.

***

Podemos considerar a cirurgia plástica uma espécie de maquiagem para o homem perecível, sem nenhum efeito na economia do Espírito imortal.

Portanto, caro leitor, use-a, se o desejar, sem abusar, e lembre-se:

O bisturi melhora precariamente o visual físico.

Para melhorar o visual espiritual é preciso usar largamente outro bisturi: o empenho de renovação, extraindo mazelas e imperfeições de nossa alma, mão firme no esforço do Bem.

Richard Simonetti

Sobre Richard Simonetti

Veja

Patrimônio Inútil

Richard Simonetti Conta Esopo (século VI a.C.), que um homem extremamente zeloso de seus haveres, …

O Irresistível Apelo do Coração

Richard Simonetti Foi amor à primeira vista, dessas coisas que só o Espiritismo explica. Tão …