Home / Espiritismo / Doutrina Espirita / A Cura pela Fé

A Cura pela Fé

No capítulo 14 (Os fluidos), item 31 – curas – do livro A Gênese, Allan Kardec explica: “A cura se opera pela substituição de uma molécula malsã por uma molécula sã”.

Podemos classificar as curas em curas materiais e curas espirituais. As curas materiais são proporcionadas pela Medicina, pelos remédios; as espirituais são as que se realizam com a participação dos médiuns. Neste ponto, o tratamento espiritual não dispensa o tratamento médico e vice-versa.

O tempo para a obtenção da cura pode variar, dependendo de cada caso. Temos de considerar que cada um de nós está submetido à Lei de Causa e Efeito; por isso, não obtemos a cura de todos os nossos males, nesta vida. Jesus, por certo, não curou a todos.

O indispensável nas curas é que tenhamos fé.

No capítulo 19 (A fé transporta montanhas) de O Evangelho segundo o Espiritismo, item 12 – a fé humana e a divina –, a mensagem de um Espírito Protetor (Paris, 1863) elucida:

“A fé é humana e divina, conforme o homem aplica suas faculdades à satisfação das necessidades terrenas, ou de suas aspirações celestiais e futuras. O homem de gênio, que se lança à realização de algum grande empreendimento, triunfa se tem fé, porque sente em si que pode e há de chegar ao fim colimado, certeza que lhe faculta imensa força. O homem de bem que, crente em seu futuro celeste, deseja encher de belas e nobres ações a sua existência, haure na sua fé, na certeza da felicidade que o espera, a força necessária, e ainda aí se operam milagres de caridade, de devotamento e de abnegação. Enfim, com a fé, não há maus pendores que se não chegue a vencer.

O Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé colocada em ação. É pela fé que ele cura e produz esses fenômenos singulares, qualificados outrora de milagres.

Repito: a fé é humana e divina. Se todos os encarnados se achassem persuadidos da força que em si trazem, e se quisessem pôr a vontade a serviço dessa força, seriam capazes de realizar o que, até hoje, eles chamaram prodígios e que, no entanto, não passa de um desenvolvimento das faculdades humanas”.

Por isso, Jesus disse que se tivermos fé do tamanho de um grão de mostarda removeremos todas as montanhas dos nossos erros e imperfeições.

No item 3 (O poder da fé), do capítulo que estamos analisando, Kardec diz:

“A fé sincera e verdadeira é sempre calma; faculta a paciência que sabe esperar porque, tendo seu ponto de apoio na inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza de chegar ao objetivo visado. A fé vacilante sente a sua própria fraqueza; quando a estimula o interesse, torna-se furibunda e julga suprir, com a violência, a força que lhe falece. A calma na luta é sempre um sinal de força e de confiança; a violência, ao contrário, denota fraqueza e dúvida de si mesmo”.

No item 4, Allan Kardec nos chama a atenção para que não confundamos a fé com a presunção:

“A verdadeira fé se conjuga à humildade; aquele que a possui deposita mais confiança em Deus do que em si próprio, por saber que, simples instrumento da verdade divina, nada pode sem Deus. Por essa razão é que os bons Espíritos lhe vêm em auxílio. A presunção é menos fé do que orgulho, e o orgulho é sempre castigado, cedo ou tarde, pela decepção e pelos malogros que lhe são infligidos”.

Autor: Altamirando Carneiro

Fonte: O Consolador

https://gecasadocaminhosv.blogspot.com/

Sobre Fernando Rossit

Avatar
Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua em várias tarefas nas casas espíritas "Associação Espírita Allan Kardec" e "Centro Espírita Irmão Gerônimo".

Veja

Sou Cristão, posso tecer críticas aos Políticos?

Um assunto espinhoso é a chamada crítica. Quem gosta de recebê-la? Ainda não ouvi quem …

Pode um Espírito, após a Morte, Permanecer Preso à Terra?

Sim, pode. Isso acontece muitas vezes. As almas presas à Terra são pessoas que, após …